Saiba mais sobre os antepassados negros que ajudaram a construir Curitiba

 

TEXTO e FOTO: Eli Antonelli | Adaptação web: David Pereira

A obra de Erbo Stenzel e seus traços negros, segundo pesquisadores. A estátua fica na Praça 19 de Dezembro, inaugurada em 1853 | FOTO: Eli Antonelli

A obra de Erbo Stenzel e seus traços negros, segundo
pesquisadores. A estátua fica na Praça 19 de Dezembro,
inaugurada em 1853 | FOTO: Eli Antonelli

Curitiba é múltipla, de várias faces e é esta mistura – soma de vários povos – é que a faz tão interessante. São várias etnias que trouxeram sua cultura e fizeram da cidade um prato gostoso, cheio de opções. Os turistas são os que mais aproveitam toda esta diversidade. E aos poucos vem descobrindo a presença africana na capital paranaense e aproveitando os bailes na Sociedade 13 de Maio – o segundo clube negro do Brasil – e os diversos eventos promovidos pelas instituições que pesquisam a temática da presença do negro na cidade.

Mas, para reconhecer essas contribuições é preciso voltar muito no tempo. É preciso saber quem foram, verdadeiramente, os negros que deixaram suas raízes em Curitiba. E material para isso não falta! O pesquisador Adriano Bernardo Moraes Lima, da UFPR, realizou uma investigação histórica sobre os caminhos trilhados por escravos que alcançavam a liberdade por meio de cartas de alforria (boa parte delas, pagas), o que contraria o discurso que trata de benevolência senhorial.

Adriano, em sua pesquisa sobre o que acontecia com os negros libertos, somou muitas caminhadas em cartórios, igrejas e arquivos públicos em busca de documentos que ajudassem a entender um pouco mais a forma de pensar e agir de africanos e seus descendentes escravizados do lado de cá do Atlântico.

Também pesquisador, Carlos Antunes dos Santos, realizou uma analise da província do Paraná com fontes primárias e defendeu a tese na Université de Paris X. Outra importante contribuição é o Jogo da Face, de Eduardo Spiller Pena, que foca a análise na repressão das autoridades às ações dos escravos, imigrantes livres e pobres que habitavam Curitiba da segunda metade do século 19.
Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 174.

Comentários

Comentários