Resistência, empoderamento e estética

Quando eu vejo um cabelo black power na rua essas são as três palavras que logo veem na minha cabeça: resistência, empoderamento e estética.

Em uma sociedade extremamente racista, como é o caso da brasileira, uma cabeleira black power além de linda e esteticamente muito interessante, para mim, é um ato político, um ato de resistência.

Kathleen Cleaver, professora, advogada, escritora, ativista e membro do partido político Panteras Negras, disse certa vez, há mais de trinta anos, que usar o cabelo natural estava abrindo a possibilidade de uma nova consciência entre o povo negro, inclusive a consciência de que sua própria aparência é bonita e do poder que isso tem.

Ela queria dizer com isso, que a comunidade negra estava se libertando de padrões culturais brancos e assumindo que também poderia ser linda com seus próprios cabelos, tom de pele e identidade étnico-racial.

Óbvio que respeito a decisão de cada um e, confesso que por diversas vezes na minha vida usei o meu cabelo liso. O problema é que na maioria das vezes, alisava porque queria ser esteticamente aceita e não por uma simples liberdade de escolha. Hoje é completamente diferente. Sei que posso usar meu cabelo como bem quiser: liso, crespo, cacheado, colorido, trançado.

Mas, mesmo assim, ahhh bate aquela alegria quando vejo homens e mulheres desfilando por aí lindas cabeleiras crespas e com muito volume. Primeiro, porque não é modinha nem tendência. É vanguarda, estética, cultura negra, resistência, empoderamento e liberdade de escolha.

Meu kit black power tem:

  • Sabão de coco para lavar o cabelo e deixá-lo bem elétrico. Apesar de ter bastante sulfato, eu não dispenso quando quero aquele black power estilo anos 70, bem redondinho;
  • Pente garfo. Ando com dois na bolsa. Indispensável para dar volume e ajeitar os cachos ao longo do dia;
  • Elástico bem solto ou cós de meia calça para fazer afro puff ou levantar o cabelo para passar um lenço. O cós de meia calça, na minha opinião é o melhor, porque não aperta e nem quebra os fios;
  • Óleo de coco. Para umectar e nutrir os fios semanalmente.

 

Link para o vídeo de Kathleen Cleaver falando sobre os motivos de usar o cabelo natural:

Rachel Quintiliano

Jornalista, pós-graduada em comunicação e saúde, consultora na área de comunicação, planejamento e sistematização com foco em saúde, gênero e raça e empreendedora do ramo de cosméticos.

 

 

*Este artigo reflete as opiniões do autor. A Revista Raça não se responsabiliza e não pode ser responsabilizada pelos conceitos ou opiniões de nossos colunistas

Comentários

Comentários