Conheça a história da rapper Mahogany Jones

 

TEXTO: Daniel Keny | FOTO: Rafael Cusato | Adaptação web: David Pereira

A rapper Mahogany Jones | FOTO: Rafael Cusato

A rapper Mahogany Jones | FOTO: Rafael Cusato

Hoje popular entre pessoas de diferentes classes sociais e etnias, o hip hop sempre foi reconhecido por ser a resposta dos negros a questões sociais e políticas desfavoráveis. Como todos os outros estilos musicais, sofreu mudanças ao longo dos anos, sem nunca perder, entretanto, a sua verdadeira essência. O autêntico hip hop está ligado a tradições religiosas negras, assim como o blues e a música gospel, e resulta em uma narrativa cheia de ritmo e groove. É essa origem, este estado puro e irretocável, do hip hop que floresce na música da MC Mahogany Jones.

História da MC Mahogany Jones: A rapper nasceu e cresceu em Nova Iorque, hoje mora em Detroit, no estado de Michigan. Seu interesse pela música surgiu ainda na infância e foi incentivado por sua tia-avó, que chegou a ser vice-presidente da Atlantic Records, uma das maiores gravadoras dos Estados Unidos, e pela própria mãe, que trabalhou para a Warner Brothers e Polygram Records. Sua história dentro da arte começou na poesia e seguiu para o freestyle, por influência de um amigo. O hip hop entrou em sua vida após uma conversa casual com Toni Blackman, ativista da cultura e do estilo em vários países ao redor do mundo, especialmente no continente africano. Encantada com o talento de Jones, a rapper decidiu apadrinhá-la.

A partir daí, sua carreira só cresceu. Em 2008, lançou o álbum “Morphed”, elogiado pela crítica por possuir letras sinceras e profundas e também por sua batida contagiante. “Pure”, seu trabalho mais recente, uniu outros dez artistas para tratar de temas do universo feminino. Paralelamente, Jones estimula jovens em comunidades de Nova Iorque e Detroit a estudarem. “Eu acho importante impulsionar a juventude a contar a sua própria história, gosto de incentivá-los a se expressarem como realmente são. Assim eles identificam o que sabem fazer de melhor, queiram eles viver de música ou política”, diz.

Confira a entrevista com a rapper.
Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 186.

Comentários

Comentários