Revista Raça

Colunistas Destaque

Invenções africanas que mudaram o mundo (parte 2)

  • Autor: Carlos Machado

  • Publicado em: 22/03/2018

  • Comentários:

"Até que os leões contem a sua história, os contos de caça sempre glorificarão o caçador." Chinua Achebe (1930-2013)

  1. Mineração

A mina mais antiga conhecida em registro arqueológico é a "Caverna do Leão" na Suazilândia, que a datação de radiocarbono mostra ter cerca de 43.000 anos de idade. Os antigos egípcios retiravam um mineral chamado malaquita. Enquanto as minas de ouro da Núbia estavam entre as maiores e mais extensas do mundo.

 

  1. Metalurgia e Ferramentaria

Muitos avanços na metalurgia e na fabricação de ferramentas foram feitos em toda a África antiga. Estas incluem máquinas de vapor, formões e serras de metal, ferramentas e armas de cobre e ferro, pregos, cola, aço carbono e armas de bronze e arte. Em lugares como a Tanzânia, Ruanda e Uganda, os avanços na metalurgia e na fabricação de ferramentas superaram os da Europa.

 

 

  1. Navegação

A evidência sugere que os africanos antigos navegaram para a América do Sul e Ásia centenas de anos antes dos europeus, desmascarando a propaganda que os europeus foram os primeiros a navegar para as Américas. Muitas sociedades antigas na África construíram diferentes tipos de barcos, desde pequenos navios até grandes navios que podiam transportar até 80 toneladas.

 

  1. Religião

As crenças e práticas tradicionais dos povos africanos são altamente diversas e incluem várias religiões. São 34 religiões em mais de 5 mil anos de história. A maioria das tradições são orais e alguma escritas, incluem crença em um criador suprem, crença em espíritos, veneração dos ancestrais, uso de magia e medicina tradicional. O papel da humanidade é geralmente visto como uma natureza harmoniosa com o sobrenatural.

Embora a adesão à religião tradicional em África seja difícil de estimar, devido ao sincretismo com o cristianismo, islamismo e o judaísmo, estima-se que os profissionais ocupem mais de 100 milhões, ou pelo menos 10% da população do continente. As religiões africanas-americanas são praticadas nas Américas e incluem o Candomblé, Santería e o Vodu haitiano.

 

  1. Astronomia

Várias civilizações africanas antigas desenvolveram a astronomia. Muitas destas são bases nas quais ainda confiamos, e algumas eram tão avançadas que seu modo de descoberta que ainda não pode ser compreendidas. A astronomia egípcia começa nos tempos pré-históricos, no Período Predinástico. No 5º milênio a.C. os círculos de pedra em Nabta Playa fez alinhamentos astronômicos. No momento em que o período dinástico histórico começou no 3º milênio a.C. o período de 365 dias do calendário egípcio já estava em uso, e a observação das estrelas era importante na determinação da inundação anual do rio Nilo. As pirâmides egípcias foram cuidadosamente alinhadas em direção à estrela do polo, e o templo de Amun-Ra em Karnakestava alinhado com a ascensão do sol do meio do inverno. A astronomia desempenhou um papel considerável na fixação das datas dos festivais religiosos e na determinação das horas da noite, e os astrólogos do templo eram especialmente habilidosos em assistir as estrelas e observar as conjunções, fases e levantamentos do sol, da lua e dos planetas. O povo Dogon do Mali acumulou uma riqueza de observações astronômicas detalhadas. Eles sabiam sobre os anéis de Saturno, as luas de Júpiter, da estrutura em espiral da Via Láctea e a órbita do sistema estelar Sírius.

 

 

Carlos Machado/ Gyasi Kweisi

Historiador e Mestre em História Social pela Universidade de São Paulo Professor da SME-PMSP, Autor do livro Ciência, Tecnologia e Inovação Africana e Afrodescendente. É ex-bolsista da Ford Foundation (USA), articulista e palestrante.

 

Comentários

Comentários