Conviver com pessoas diferentes diariamente é, para mim, uma fonte rica de aprendizado. Esta convivência, em vários formatos, proporciona a oportunidade de crescer e conhecer melhor como conquistar oportunidades na vida, o que devemos fazer e o que não devemos fazer. Chamo este aprendizado de “Faculdade da Vida”, quanto mais vivemos e vivenciamos novas situações, mais teremos a oportunidade de aprendermos coisas novas.

Em nossas vidas temos que decidir se queremos ser o ator/atriz principal de nossa história de vida ou apenas coadjuvante, passando de forma desapercebida, fazendo o que as outras pessoas determinam para nós.

Em minhas consultorias empresariais pude vivenciar várias situações, mas uma me chamou a atenção, por conta do crescimento pessoal e profissional de uma pessoa que tive a oportunidade de desenvolver na condução da trajetória para o sucesso, onde o mesmo abraçou a oportunidade com todas as forças.

Quando iniciamos os trabalhos, ele tinha uma postura harmonizadora e não gostava de se envolver em conflitos. Trabalhava melhor em um ambiente estável, onde não ocorriam mudanças bruscas. Analisava cuidadosamente as situações antes de tomar uma decisão, e sentia-se desconfortável em ter que agir sem ter em mãos todas as informações que considerava necessárias.  Tinha capacidade de se manter em um plano de ação por muito tempo, até que os objetivos fossem alcançados. Naquele momento ele não tinha o perfil ideal para exercer o cargo de gestão que lhe fora confiado, mas a culpa não era dele pois em situações assim, as empresas devem trabalhar com capacitações que proporcionem qualificação adequada para o cargo que irá exercer.

Depois de analisar e conhecer o perfil pessoal e profissional, me lembro como se fosse hoje, lhe perguntei o que deseja para sua vida, qual era a sua missão de vida e qual era a pessoa mais importante de sua vida, perguntas iniciais que sempre faço para compreender se vale a pena ou não trabalhar a pessoa para alcançar algo que deseja. Sinceramente, nenhuma das respostas, me levava a acreditar que valeria a pena desenvolver aquele rapaz, mas no fundo, eu sabia que ele seria um bom aprendiz e foi aí que eu lhe fiz a seguinte pergunta: Você confia em mim?  Ele me respondeu o que eu queria ouvir, com um tom enfático:

-” Sim”!

Foi aí que eu disse:

- Então se prepare para mudar sua vida!

Em seguida lhe expliquei, detalhadamente, como iríamos trabalhar para proporcionar o seu crescimento profissional e pessoal. Na semana seguinte iniciei com o processo de coaching, onde fui trabalhando com ele semana a semana.

Terminamos o processo de coaching, depois realizei alguns encontros de mentoring, para lapidar esta pedra que era bruta e se tornou preciosa. Passados alguns anos este profissional é motivo de orgulho em minha vida profissional. Ele se tornou referência na empresa onde trabalha e pelo que vejo conquistará ainda mais sucesso.

Hoje todos os profissionais da empresa reconhecem o seu valor e profissionalismo. Ele é uma prova de que quando acreditamos que podemos, nos dedicamos e temos a oportunidade de ter pessoas capacitadas para nos demonstrar as melhores práticas de nossas atividades. O exemplo que destaquei neste artigo é um caso real. Caso este, de uma pessoa que decidiu ser o ator principal de sua vida ocupando um lugar de destaque. Não digo que a vida deve ser somente de trabalho árduo e abdicação, com certeza temos que nos divertir, porém em alguns momentos da vida se faz necessário um empenho maior com foco e determinação para concretização de nossas metas e obtenção de uma oportunidade melhor em nossa vida.

 

Lembrem-se: “Só é duradouro aquilo que se renova todos os dias”.

Amarildo Nogueira

Mestre em Gestão de Negócios pela Universidade Católica de Santos, MBA em Logística Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Business and Management International Professional pela University of California (Irvine-EUA). É Consultor empresarial e autor do livro Logística Empresarial: uma visão local com pensamento globalizado. Ministra Palestras e Treinamentos em todo Brasil, onde já desenvolveu e capacitou mais de 60.000 pessoas.

*Este artigo reflete as opiniões do autor. A Revista Raça não se responsabiliza e não pode ser responsabilizada pelos conceitos ou opiniões de nossos colunistas

Comentários

Comentários