Saiba mais sobre a história de vida da escritora brasileira Carolina de Jesus que completaria 100 anos em 2014

 

TEXTO: Miriam Alves | Adaptação web: David Pereira

A escritora brasileira Carolina de Jesus

A escritora brasileira Carolina de Jesus

Nascida em 1914 no dia 14 de março, na cidade rural de Sacramento, Minas Gerais, Carolina Maria de Jesus até hoje tem a sua importância subestimada dentro da literatura brasileira. A escritora teve uma vida complexa e tensa como só pode ser a vida de uma mulher negra. Estudou por dois anos “as primeiras letras”, como diziam, mas interrompeu os estudos porque foi obrigada a migrar com a mãe para outras cidades, na luta pela sobrevivência. Vagou, segundo suas anotações em diários, por algumas cidades do interior de São Paulo, até que por fim migrou para a capital paulista (1947), como empregada doméstica acompanhando os patrões.

Inquieta e questionadora, Carolina não se adaptou às exigências do emprego doméstico, nos quais as relações de trabalho se assemelhavam ao extinto regime escravista. Acabou indo morar na favela do Canindé, às margens do rio Tietê, uma das que surgiam com o processo de crescimento da cidade de São Paulo. Crescimento esse que teve como uma das consequências a ocupação de habitações precárias pela população preta, pobre e migrante, aglomerada em locais sem infraestrutura. Ela buscava e encontrava no lixo aquilo que a cidade desprezava, sua fonte de renda para sustento dela e dos três filhos. Perambulando pela cidade que observava, admirava sua ostentação: luzes, casa, flores, pessoas e avenidas, contrastando com sua realidade vivencial. À noite, em seu barraco, apinhava a família além da miséria. Entre o roncoda fome, os pedidos dos filhos e os burburinhos da vizinhança, tão esquecida e desprezada como ela, extraia a matéria prima para a sua escrita dos livros, para o seu sonho de se tornar escritora, mais precisamente poeta, e abondar aquela vida de precariedade.

Carolina arquitetava outra vida para ela e os filhos. Escrevia constantemente e procurava os jornais e editoras para publicar o seu trabalho, como relata em seu diário. Obviamente não conseguiu sucesso nesta investida, visto que não logrou credibilidade ao mostrar seus manuscritos registrados em papéis reutilizáveis, grafia e gramática que denunciavam os seus poucos anos de estudo formal, que para uma arte elitista como é a literatura escrita, não coadunava. Insistentemente, ela escrevia o seu dia a dia, repórter de si mesma e da cidade, que olhada pelo ângulo dos pobres à margem do rio Tietê não consegue ostentar nem o glamour, nem a ilusão de um progresso igualitário.

O que muitos chamam de coincidência é na verdade intencionalidade por parte de Carolina, que mostrava seus escritos aos profissionais da assistência social e religiosos que iam prestar assistência aos “favelados”. Em 1958, mostrou a um jovem repórter, Audálio Dantas, da Folha da Noite, designado para fazer matéria sobre a favela do Canindé, os seus escritos em cadernos que reaproveitava. Impressionado com o que leu, Audálio compilou algumas páginas e intitulou “Quarto de Despejo: diário de uma favelada”. Publicado em agosto de 1960, foi recorde de vendas. A tiragem inicial de dez mil exemplares se esgotou em uma semana. Depois, foi traduzido para treze idiomas e tornou-se um best-seller na América do Norte e na Europa. Carolina de Jesus logrou realizar os seus dois intentos, tornou-se escritora e, no mesmo ano da publicação de seu livro (1960), se mudou da favela do Canindé para uma casa de alvenaria, comprada com o resultado editorial de venda de “Quarto de Despejo”.

Recebeu homenagens, nacionais e internacionais, viajou por vários estados do Brasil. A vida de Carolina Maria de Jesus, se fosse ficção, terminaria com letreiros de fim e final feliz. Pressionada pela editora, ela escreveu “Casa de Alvenaria”. Lançado em 1961, o livro não teve o mesmo impacto que antecessor. A escritora passou a questionar as desigualdades sociais a partir da “sala de visita”, termo que usava para designar um lugar digno. Houve uma mudança de lugar físico, mas não do local social de onde De Jesus fala, em relação à sociedade.

Comentários

Comentários