Home Capa Bloco afro mais antigo do Brasil, Ilê Aiyê comemora 45 anos na...

Bloco afro mais antigo do Brasil, Ilê Aiyê comemora 45 anos na Senzala do Barro Preto, em Salvador: ‘Liberdade e igualdade’

Os batuques dos tambores anunciaram, por volta das 22h desta quinta-feira (1º), a chegada do cortejo do “Mais belo dos belos”, na Senzala do Barro Preto, no bairro da Liberdade, em Salvador. O tradicional Ilê Aiyê completa 45 anos.

Por toda a Ladeira do Curuzu, famílias se reuniram nas varadas e janelas das casas para acompanhar a chegada da caminhada do bloco afro mais antigo do país. Para muitos, o Ilê é o principal ícone de resistência, que marca a história contra o racismo e afirmação do povo negro na Bahia.

Ao G1, o fundador e presidente da entidade, Antônio Carlos, o “Vovô do Ilê”, falou sobre a representação cultural e social do bloco afro.

“É muito gratificante, um verdadeiro motivo de orgulho, a gente conseguir manter uma organização negra na Bahia por 45 anos. É de uma importância muito grande, principalmente para a juventude negra. Mas, além disso, para todo o povo baiano: negros, brancos e índios”, disse Vovô.Ele

ponderou ainda os propósitos do Ilê Aiyê, enquanto organização para a luta dos direitos dos povo negro.

“O Ilê Ayiê não surgiu com o intuito de separatismo, de ser negros de um lado e brancos do outro. Nós queremos liberdade e igualdade. Estamos em busca dessa tal reparação, que já passou da hora há bastante tempo”, disse.

A festa foi comandado pela Banda Aiyê, anfitriã da noite. Além dela, outros blocos afros e afoxés, subiram no palco da Senzala do Barro Preto. Filhos de Gandhy, Cortejo Afro, Malê de Malê, Muzenza, Os Negões e Olodum deixaram seu recado de luta pelos direitos da população negra. Daniela Mercury e Gerônimo também são convidados.

Para Mirela Santos, moradora do bairro, o Ilê faz parte da formação da identidade negra.

“Foi crescendo aqui que eu aprendi a me valorizar enquanto pessoa negra. Aprendi sobre minhas raizes e a luta de meu povo. O Ilê me forjou”.

E ela não é a única. Mirinha Cruz, a primeira “Deusa do Ébano”, título concedido à rainha do Ilê, eleita anualmente, também teve a identidade construída pelo bloco afro.

A festa foi comandado pela Banda Aiyê, anfitriã da noite. Além dela, outros blocos afros e afoxés, subiram no palco da Senzala do Barro Preto. Filhos de Gandhy, Cortejo Afro, Malê de Malê, Muzenza, Os Negões e Olodum deixaram seu recado de luta pelos direitos da população negra. Daniela Mercury e Gerônimo também são convidados.

“Eu vi o Ilê Aiyê nascer e crescer. Ele é tudo para mim. Fui a primeira ‘Deusa do Ébano’, e hoje ele completa 45 anos. Eu continuo me sentindo uma rainha. O prestígio da comunidade continua. Aonde eu chego sou muito bem-vinda”.

Fonte:G1

Comentários

Comentários