Home Capa Coordenadoria de Igualdade Racial promove roda de conversa com atriz

Coordenadoria de Igualdade Racial promove roda de conversa com atriz

Fundação Cultural de Uberaba (FCU) recebeu na última semana a atriz Mariana Nunes. A visita foi acompanhada por uma roda de conversa, onde foram debatidos o papel do negro e a função da arte e do teatro na sociedade. A atividade foi promovida pela Coordenadoria de Igualdade Racial da FCU, que encerrou as ações de 2018 com a presença de Mariana. Foram convidados artistas da cidade e público em geral, e o evento também contou com a presença do vereador Ronaldo Amâncio.

A artista já atuou na série “Carcereiros”, da Rede Globo, onde interpretou Janaína e contracenou com Rodrigo Lombardi. Mariana também encenou na série “O Mecanismo”, da plataforma Netflix, e no filme argentino-brasileiro “Zama”. A atriz também participou de outros títulos, como “M8 – Quando a Morte Socorre a Vida”, “Pureza”, “Um Dia Qualquer”, “São Jorge e Pelé – O Nascimento de Uma Lenda”.

Os pais da atriz são de Uberaba e ela veio passar o fim de ano com a família. Convidada para falar um pouco sobre as experiências dela enquanto artista e mulher negra, Mariana conta que foi uma grande oportunidade de saber como funciona a vida cultural de Uberaba. “Um povo não vive sem cultura e ela é um dos corações de uma cidade e eu queria saber como pulsa esse coração aqui.” Além do aspecto cultural, a atriz também explica que se interessa muito em saber como funcionam os movimentos e a questão racial na terra dos familiares.

A roda de conversa foi um momento de grande diálogo e Mariana falou um pouco sobre o espaço do negro na arte. “Está em constante crescimento, apesar das coisas que estão acontecendo no país, nós estamos ganhando cada vez mais espaço e representatividade. Ainda falta muito e está longe de ser o ideal e de ter alcançado igualdade, mas vejo com bons olhos, bom sentimento, a situação já é muito diferente de quando eu era criança. Vemos peças com temas negros, atores e diretores negros.”

Mariana ainda vai a fundo na questão da representatividade e elenca outros aspectos que merecem reconhecimento. “Mesmo que devagar e num ritmo que não é o que eu gostaria que fosse, a questão do espaço tem andado para frente e do ponto que chegamos não tem como regredir. Não falo só das questões raciais, como também das de gênero e LGBTs; não tem como não reconhecer que essas pessoas existem e que têm as próprias demandas. Nosso país é supermiscigenado e é isso que falta, ver essa diversidade mais representada”, frisa a artista.

Fonte:  jmonline

Comentários

Comentários