Mulheres são homenageadas por seu papel histórico na independência da Bahia

 

Texto: Redação | Foto: Eliezer Santos | Adaptação Web Sara Loup

Independência da Bahia | Foto: Shutterstock

Independência da Bahia | Foto: Shutterstock

Mulheres que se destacaram na luta pela independência da Bahia foram homenageadas na Câmara Municipal de Salvador em sessão especial, intitulada O Papel Histórico da Mulher na Independência da Bahia. O evento, de iniciativa da vereadora Olivia Santana, teve como objetivo estimular o resgate do protagonismo da mulher na história da Bahia e do Brasil, destacando as figuras de Maria Quitéria, Joana Angélica e, em especial, a falta de registros sobre a heroína negra Maria Felipa. Segundo Olívia, embora a historiografia oficial celebre a força masculina, a Bahia quebrou esse tabu.

“Se a história oficial nos nega, nós vamos celebrar a história popular, vamos resgatar a memória do povo, vamos trazer esse símbolo que é Maria Felipa. Não é surpresa  não existirem registros. A falta de registros nos torna invisíveis e a invisibilidade nos faz entes passivos da história.”
No plenário, além de representantes de entidades de mulheres, indígenas e negros, e figuras populares do Recôncavo Baiano, região que vivenciou fortemente as batalhas pela independência, destaque para as presenças da ministra Luíza Bairros, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), a historiadora Consuelo Pondé de Sena, presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB), Janeth Suzarth, coordenadora estadual do Fórum Nacional de Mulheres Negras, e Luislinda Valóis, a primeira juíza de Direito negra do Brasil.

 

Quer ver esta e outras colunas e matérias da revista? Compre esta edição número 157

Comentários

Comentários