Lenda viva da Fórmula 1 fala sobre o racismo no Brasil com exclusividade à RAÇA

Grande campeão de GP de São Paulo, Hamilton é um orgulho nas pistas e na luta da negritude no mundo

Por Maurício Pestana

Que Lewis Hamilton é o grande campeão das pistas, a gente não tem nenhuma dúvida. Uma lenda da Fórmula 1, ele conquistou o primeiro lugar no pódio depois de ser penalizado em 24 posições. Essa era uma barreira que parecia difícil de quebrar, mas Hamilton não desistiu fácil e conquistou o lugar mais alto.

Hamilton também vem vencendo a barreira do racismo dentro e fora das pistas. O campeão tem investido para estimular a chegada de mais pessoas negras a diversos setores sociais. Vimos esse exemplo na moda, quando Lewis Hamilton comprou uma mesa o MET Gala 2021 para levar cinco designers de moda negros.

O piloto também está investindo na educação para promover a inclusão e igualdade, ele quer trabalhar para que questões estruturais do sistema educacional de vários países não impeçam alunos negros de receber uma ótima educação. Para ele, a representatividade é ponto-chave para que isso aconteça: “Qualquer jovem do planeta merece ter o mesmo direito de receber uma ótima educação. As famílias não devem considerar carreiras para seus filhos pensando: ‘Bom, essa carreira não serve para o meu filho porque não tem como ele entrar nesta área. Não tem ninguém que se parece com a gente nesta área’. Então, a representatividade é uma conquista muito importante.”, disse o piloto em entrevista quando chegou ao Brasil.

Em entrevista exclusiva para revista Raça, Lewis Hamilton falou sobre racismo e contou sobre a responsabilidade de ser tão querido pelos brasileiros.

RAÇA Brasil – Como é ser jovem e negro em uma posição de liderança em um esporte totalmente branco? Isso afeta as relações dentro da F1?

Lewis Hamilton – Estamos vivendo um importante momento de mudança. Durante a maior parte da minha carreira, fui um dos únicos negros envolvidos no automobilismo e enfrentei muitas barreiras que foram colocadas no meu caminho por causa disso. Quando eu era criança e outras crianças ou seus pais costumavam me insultar ou dizer que eu não sobreviveria, meu pai sempre me dizia para falar na pista. Isso é o que tentei fazer desde então. Mas este ano, depois que George Floyd foi morto, ficou claro para mim que aquele era um momento de nos levantarmos, de nos responsabilizarmos e de exigir mudanças. Falei com minha equipe e com a Fórmula 1 sobre o que poderíamos fazer para usar nossa plataforma para falar. Eu não tinha certeza se eles gostariam de se juntar a mim, mas o apoio da Mercedes e do esporte em geral tem sido muito encorajador de ver, com muitos dos pilotos agora dando uma joelhada antes de cada corrida. Nem todo mundo está convencido de que há um problema, nem todo mundo tem a mesma perspectiva que eu, e eu entendo isso; mas continuarei defendendo o que considero certo, continuarei usando nossa plataforma para promover mudanças e encorajando aqueles ao meu redor a fazerem o mesmo.

RAÇA Brasil – Quais ações podem ser tomadas para combater o racismo e a invisibilidade negra na F1?

Lewis Hamilton – Em minha opinião, começa com educação e mente aberta. Sei que as pessoas no topo da Fórmula 1 querem construir um esporte mais diversificado. Isso começa mostrando aos jovens que o automobilismo pode ser uma oportunidade para eles. Muito trabalho está sendo feito para encorajá-los a estudar bastante Matemática e Ciências, para explicar o que é engenharia e para mostrar a eles oportunidades que podem alcançar. Mas a realidade é que muitas das barreiras ainda não são bem compreendidas, e é por isso que fundei a Comissão de Hamilton no Reino Unido, com a Royal Academy of Engineering, para aprender mais sobre as barreiras à participação negra no automobilismo britânico. Depois de compreender o problema que estamos tentando resolver, podemos começar a desenvolver as ações e soluções certas para melhorar a diversidade do nosso esporte.

RAÇA Brasil – O que você diria aos jovens negros que estão começando no esporte? Quais os caminhos que devem seguir?

Lewis Hamilton – Começa com a educação. Você precisa estudar muito e trabalhar em Matemática, Ciências, Tecnologia para ter uma compreensão básica das máquinas com as quais trabalhamos. Se você quer se tornar um piloto, você precisa encontrar uma maneira de entrar em um kart e começar a correr – eu aprendi muitas das habilidades que uso hoje na pista de kart. E, acima de tudo, você nunca precisa aceitar um não como resposta. As pessoas vão tentar tirá-lo do curso ou dizer que você não pode fazer isso, e você precisa de fé, determinação e resiliência para superar isso e perseguir seu sonho.

RAÇA Brasil – Depois de Jackie Stewart, Graham Hill, James Hunt, Nigel Mansell e Damon Hill, a Inglaterra dá ao detentor do recorde mundial Lewis Hamilton. Você percebe esse nacionalismo da mesma forma que os outros?

Lewis Hamilton – Tenho muito orgulho de representar meu país ao redor do mundo e de ver a Union Jack atrás de mim quando eu ganhar, ou de ouvir o hino nacional. Assim como o Brasil, o Reino Unido tem uma longa tradição no automobilismo, e pude pegar a batuta dos campeões que vieram antes de mim e levá-la para outra etapa. Comecei morando em uma casa do conselho em Stevenage. Espero que minha jornada possa inspirar outros jovens a nunca desistirem de seus sonhos e continuar mirando alto.

RAÇA Brasil – Quais personalidades negras determinaram e inspiraram sua consciência e postura contra o racismo?

Lewis Hamilton – Sou inspirado todos os dias por tantas pessoas e sua coragem de falar e defender o que é certo. Para mim, pessoalmente, as figuras mais inspiradoras foram Nelson Mandela, que tive a sorte de conhecer e que brilhou uma luz incrível; então, Muhammad Ali, que mudou tanto por sua bravura, sua convicção e sua eloquência; ele foi um campeão incrível. Mas existem heróis neste movimento em toda a sociedade, e devemos honrar o trabalho que eles estão fazendo.

RAÇA Brasil – Aqui no Brasil, você é uma figura muito querida no esporte, principalmente entre as crianças. Como é para você ser essa referência?

Lewis Hamilton – É um grande privilégio e uma responsabilidade que levo muito a sério. As crianças são o nosso futuro e a forma como as moldamos e orientamos afetará diretamente a forma do mundo nos anos que virão. Sempre senti uma ligação com o Brasil – vivi alguns dos momentos mais incríveis da minha carreira em Interlagos, mesmo tendo competido contra o Felipe Massa – e, é claro, o piloto que eu admirava quando criança era o Ayrton Senna, que era também o herói para tanta gente no Brasil. Portanto, temos isso em comum e espero que meu exemplo possa encorajar essas crianças a se apegarem a seus sonhos, nunca desistir e continuar se esforçando para serem o melhor que podem ser.

RAÇA Brasil – Você tem enfrentado consistentemente o debate racial no mundo. Como você vê esse momento nessa discussão?

Lewis Hamilton – Estamos em um importante momento de mudança. A morte de George Floyd na primavera foi o início de um movimento poderoso para destacar a desigualdade e a injustiça no mundo. E foi um momento para falar, para iluminar esses problemas e para começar a discussão e ações para mudá-los. Acredito que agora há uma consciência muito maior desses problemas na sociedade e em nosso esporte; agora é o momento de dar
seguimento com ações concretas que podem gerar mudanças significativas para o futuro.

RAÇA Brasil – Como você vê a comunidade negra e o debate racial daqui a 10 anos?

Lewis Hamilton – Devemos olhar para frente com esperança e positividade. Espero ver uma
sociedade mais inclusiva, onde as pessoas desfrutem de verdadeira
igualdade de oportunidades. Espero ver a sociedade abordando as causas da desvantagem para garantir que talentos de todas as origens sejam capazes de se expressar em todo o seu potencial. Espero uma Fórmula 1 mais diversificada e inclusiva, que dê oportunidade a pessoas de todas as origens. E este é o momento em que podemos agir para impulsionar essas mudanças, e isso é algo que me dá um verdadeiro sentido de propósito, muito além de qualquer coisa que possamos alcançar na pista.

Orientação para a diagramação – bolinha com declarações ao lado, em itálico

“No lugar que ele ocupa, poderia se desvencilhar da pauta e fingir que não era com ele, mas ele lembra de onde vem e mais do que isso, ele sabe para onde vai.” (AD Júnior)

“Que satisfação ver um negro saborear tantas vitórias, receber a bandeirada e ser o número 1 num esporte predominantemente elitista como a F1, que beira zero em pluralidade – se não fosse pela grata exceção do melhor entre eles, “O Cara”, simplesmente o mais veloz nas pistas.” (Rachel Maia)

“Reescreveu a história! Vencedor! Grito ao mundo o orgulho que sinto de você.” (Naomi Campbell)

Comentários

Comentários

About Author /

Start typing and press Enter to search