Livro propõe o mapeamento dos terreiros no Brasil. Saiba mais

 

TEXTO: Redação | FOTO: Divulgação | Adaptação web: David Pereira

Livro “Presença do Axé” | FOTO: Divulgação

Livro “Presença do Axé” | FOTO: Divulgação

Em um dos apontamentos mais importantes para o registro da religiosidade brasileira, a proposta de realização de um mapeamento de terreiros no Rio de Janeiro foi apresentada à PUC-Rio, em 2006, pela Yalorixá Mãe Beata de Iyemonjá. Mãe Beata é considerada a principal liderança religiosa do Ilê Omi Ojuarô, e desde o primeiro momento de apresentação do projeto era visível a intolerância religiosa professada por algumas igrejas neopentecostais, expressamente dirigida contra as casas de religiões de matrizes africanas e seus adeptos. O livro “Presença do Axé” propõe um mapeamento e mostra-se uma oportuna pauta de pesquisa e extensão, que cumpre duas funções: oferecer uma resposta a uma demanda nascida dos movimentos sociais e desenvolver uma forma inovadora de tratamento da questão do racismo e suas práticas. Lançamento da editora PUC-Rio.

Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 189.

Comentários

Comentários