Home Colunistas Colunistas Destaque Salvador, minha Bahia, Capital.

Salvador, minha Bahia, Capital.

Cosmopolita por nascimento e provinciana por opção dos seus mandatários, em particular no período republicano, Salvador celebra seus 470 anos, no próximo dia 29 de março, com desafios do tamanho da sua importância histórica. Conhecida como a Roma Negra brasileira, visto que possui a maior população negra fora do continente africano, Salvador tem sido madrasta para com aqueles que lhe doaram o corpo e a alma.

De cidade estruturada para o projeto futurista do Governo Colonial Português no Brasil e que sediou ao longo de 214 anos a administração central desse empreendimento ao formigueiro humano de mais de três milhões de habitantes que se amontoam pelos becos, vielas e invasões, Salvador continua, 470 anos após sua fundação, carente de uma gestão que eleja o ser humano, o tão propalado “baiano” como o centro de suas atenções.

Claro que Salvador encanta a tantos quantos a conhecem. É poderosa culturalmente e isso se deve em grande parte a herança da cultura africana e aos negros baianos que a perpetuam. Dotada de beleza natural singular, tendo suas praias e a Baia de Todos os Santos como grande atrativo, Salvador merece a fama que possui. Reza a lenda que a cidade é mística, mágica e acolhedora por conta dos milhares de terreiros de candomblés e centenas de igrejas que se espalham por seu território. Do mesmo modo que seu povo é considerado alegre e hospitaleiro fazendo com que a cidade viva permanente em festa. Diz-se ainda de maneira jocosa que “baiano não nasce estreia”.

Mas, apesar de cantado em prosa e verso, “o baiano” que na verdade é soteropolitano, continua sendo a grande vítima histórica dos avanços e atrasos que a cidade tem vivido, seja no plano urbanístico, econômico ou social. Assim como o cotidiano de quem labuta nesta cidade de Oxum é bem mais difícil e sofrido do que os turistas e visitantes possam imaginar.

Os números e as estatísticas além de não mentirem, expressam a crueza da desigualdade abissal que marca esta cidade, seja no plano econômico ou racial. A taxa de desemprego na cidade do Salvador é das mais altas do país, representando 26,1% da população economicamente ativa, ou 410 mil desempregados segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego na Região Metropolitana de Salvador (PEDRMS – 2018). Ainda segundo a pesquisa os negros representam 92,7% dos desempregados embora representem 82,1% da população. Os jovens negros tem sido a grande vítima nesse processo, representando 32,1. No tocante a violência mais uma vez a juventude negra paga o preço, são 91% dos jovens assassinados na cidade.

Certamente, por conta de ter sido estruturada a partir do e para o trabalho escravo, onde liberdade e direitos humanos nunca fizeram parte do cardápio dos seus mentores, a cidade do Salvador nunca percebeu seus moradores como o principal beneficiário de seu desenvolvimento, ressalvando-se uma pequena minoria branca e abastada, até porque sua maioria esmagadora é de pretos e pobres e portanto considerada despossuída de direitos. Este cacoete escravocrata que perdura na cidade até os dias atuais sendo quase que o marco regulatório das relações humanas nesta cidade precisa definitivamente ser superado.

Por isto mesmo, ao celebrar mais um aniversário dessa Salvador que nos encanta e nos acolhe gostaria de recuperar a frase de Caetano Veloso que como um bom baiano afirmou certa vez – “A mim me bastava que um prefeito desse um jeito na cidade da Bahia.”. E viva Salvador!

Toca a zabumba que a terra é nossa!

Comentários

Comentários

Foi Presidente da Fundação Palmares, atualmente é presidente da Fundação Pedro Calmon - Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.