TV aberta, canais fechados, teatro, cinema, redes sociais, e, cada vez mais, literatura. Se houver outras opções que lhe propiciem a integração, Lázaro Ramos estará envolvido. Não tenham dúvidas. Consagrado nacionalmente como ator, o artista conquista o universo dos livros ao lançar sua terceira obra infantil, “Cadernos Sem Rimas da Maria”, dedicado à sua filha, Maria Antônia. 

No ar na quarta promissora temporada da série “Mister Brau”, no ar na TV Globo, o artista celebra o reencontro com as raízes africanas no capítulo que encerra a série, todo gravado em Angola. Ainda, à frente do programa “Espelho”, no Canal Brasil, no qual apresenta e entrevista pessoas que se destacam na sociedade, esse baiano de sorriso sincero e acolhedor conquista cada vez mais o público. Atuante nas redes sociais, dia a dia mais comprometido com o que considera como missão, Lázaro não surpreende. Só enfatiza e faz ter certeza de que vale a pena ser e fazer o bem.

Num bate-papo descontraído com a revista RAÇA, ele fala sobre vida pessoal, carreira, política, negritude e, claro, sobre seus livros. Confira.

RAÇA – Desde o início de sua carreira, no Bando de Teatro do Olodum, você sempre procurou enfatizar as situações vivenciadas pela população negra, seja através do humor ou de forma séria. Comemoramos 130 anos da Abolição da Escravatura. Evoluímos?

LR – Ainda estamos na construção da nossa Abolição. Teve a liberdade de não estarmos mais escravizados, mas…