Home Capa ‘Sou um ativista político dentro do futebol’, diz técnico do Bahia

‘Sou um ativista político dentro do futebol’, diz técnico do Bahia

Roger Machado comenta repercussão de resposta sobre racismo em entrevista coletiva após jogo do Campeonato Brasileiro: ‘Para mudar, precisamos aceitar que o preconceito existe’

Quando chegou à sala de imprensa do Maracanã, Roger Machado, de 44 anos, não imaginava que sua entrevista coletiva pudesse ganhar repercussão nacional.

Para o treinador, explicar a derrota de sua equipe, o Bahia, para o Fluminense parecia ser a tarefa mais difícil.

Ele se preparava para responder às críticas pela derrota de 2 a 0 no último sábado 12. Até que uma pergunta sobre racismo no esporte alterou o foco da conversa.

Machado e o técnico Marcão, do Fluminense, são os dois únicos treinadores negros da elite do futebol brasileiro.

O vídeo com a resposta de Machado a respeito do tema passou a ser compartilhado nas redes sociais e alcançou até mesmo o público que não acompanha o Campeonato Brasileiro.

Gaúcho de Porto Alegre, Machado começou a carreira de treinador em 2014, quando assumiu o time Juventude de Caxias do Sul.

Com passagens marcantes por Grêmio, Atlético-MG e Palmeiras, chegou ao Bahia em abril deste ano e logo criou uma relação de afinidade: o time baiano, engajado em questões sociais, cativou um técnico que procura seguir os mesmos princípios.

“Negar e silenciar é confirmar o racismo. Minha posição como negro na elite do futebol é para confirmar isso”, disse o treinador na entrevista coletiva.

Formado em educação física, Roger ingressou no ensino superior depois dos 34 anos. Antes, buscava conhecer um pouco mais a sociedade por meio de livros presenteados por sua irmã e os devorava durante as viagens como atleta de Grêmio, Fluminense e Vissel Kobe, do Japão.

Fonte: Epoca

Comentários

Comentários