Além de ser estudante de administração de empresas, Cainã faz um lindo trabalho voluntário na Fundação Casa

 

Texto: Redação | Foto: Divulgação | Adaptação Web Sara Loup

Cainã Kim | Foto: Divulgação

Cainã Kim | Foto: Divulgação

Este é Cainã Kim, de 20 anos, paulistano e aluno do 4º semestre de Administração de Empresas na Universidade Cruzeiro do Sul, em São Paulo. Escolheu o curso por vários motivos. “Eu tenho facilidade com números, raciocínio lógico, mas, principalmente, porque proporciona grandes oportunidades no mercado de trabalho. Tenho vocação e também estou pensando em uma boa remuneração no futuro”, diz Cainã que, vaidoso como é desde a adolescência, também se interessa pela carreira de modelo. Já fez alguns trabalhos na área, entre eles, comerciais e uma participação na próxima novela da Globo, o remake de Guerra dos Sexos.

E sobre este concorrido universo da moda, ele dá a dica sobre o que pode ser um diferencial a seu favor. “Tento me diferenciar com o meu carisma e minha inteligência. E, apesar deter muitos negros de cabelo black,acredito que isso ainda seja um grande diferencial”, diz o jovem, adepto da cabeleira há quase dois anos. O visual imponente, porém, lhe causa alguns problemas, principalmente em ambientes de trabalho.

“Tenho muitas dificuldades quanto a isso, empresas privadas não aceitam. Estou estudando para passar em concursos públicos, assim poderei trabalhar e usar o cabelo da forma que achar melhor”, afirma.

Em relação a sua negritude, Cainã chega a se irritar quando o questionam sobre o assunto. Desde que aderiu ao cabelo black, porém, tais desconfianças diminuíram, mesmo assim ele faz questão de deixar um recado: “Eu sou negro e digo com muito orgulho,posso não ser negro de pele, mas sou de sangue e, o mais importante,reconheço minhas raízes”, adverte.Solidário, ele é voluntário em um curso de capacitação para adolescentes da Fundação Casa (antiga Febem).“Dou reforço escolar nas matérias de matemática e informática. É algo que estou gostando muito.”
Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 170

Comentários

Comentários