Foto: Betto Junior/Correio

Foto: Betto Junior/Correio

O Rock é preto. Essa definição não tem a ver com a cor das camisas de quem é fã do  metal, mas sim com a cor da pele de quem canta. Na noite de ontem, Larissa Luz abriu a programação do Festival da Cidade no Rio Vermelho, com uma mensagem clara. “O rock’n’ roll de negro, o rock’n’roll de preto é nosso”, disse a cantora no começo da apresentação, no Largo da Mariquita.

A plateia, tímida no início, dançou e gritou ao som de sucessos como Bonecas Pretas. “Essa música fala sobre representatividade. Quando somos crianças, não vemos bonecas pretas para dizer que são nossas filhas”, afirmou a estudante Adriele do Carmo, 21 anos. Para ela, a presença de Larissa no Festival da Cidade tem um significado especial: “Há 15 anos não teríamos uma mulher preta falando sobre representatividade negra”.

Foto: Betto Junior/ Correio

Foto: Betto Junior/ Correio

Segundo o secretário de turismo, Isaac Edington, esse é um dos principais motivos de Larissa ser uma das atrações principais da festa de aniversário de Salvador: “O festival prima pela diversidade e a manifestação de Larissa casa perfeitamente com o espírito do Rio Vermelho, com muita cultura e ativismo”.

Parece que casa mesmo. A fisioterapeuta Mariana Moraes, 32, que curtia o show aprovou a combinação: “Acho incrível a proposta que ela traz e o fato de o evento ser gratuito e próximo do público faz com que muito mais pessoas possam ter contato com os temas que ela trata”.

Foto: Betto Junior/ Correio

Foto: Betto Junior/ Correio

Com o cabelo trançado e mesclado com tranças azuis, a estudante Tainá Santos, 18, dançava bem na frente do palco. “Larissa valoriza a figura do negro e isso é uma contribuição muito grande para a cultura de Salvador, cidade onde nós somos maioria”, disse. A negritude é apenas uma das bandeiras levantadas pela cantora. “Eu sou gay e ela fala muito de inclusão, então me sinto representado. Larissa tem uma força política grande e consegue transferir isso bem para suas músicas”, afirmou o bailarino Marcelo Galvão, 33

Muitos fãs acompanham a cantora desde a época que era vocalista do Araketu, entre 2007 e 2012. O design gráfico Alberto Gonçalves, é um desses: “É importante conectar pessoas e ela traz temas que falam sobre a maioria das pessoas. As letras dela nos lembram do que é realmente nosso, como o rock’n’roll”.

A programação do Festival da Cidade segue até domingo, em diversos pontos da cidade. No sábado (1º), o ator Frank Menezes apresenta a peça O Corrupto no Farol da Barra, às 19h, e o Harmonia do Samba e Pablo fazem show no Palco Cajazeiras, a partir das 18h. No domingo (2), o dia começa com a Volta no Dique do Alavontê, às 10h, no Dique do Tororó, e shows de É O Tchan e Simone e Simaria, a partir das 19h, na Praça da Revolução, em Periperi.

Fonte: Correio

Comentários

Comentários