Conheça a obra Os Rosários dos Angolas que é de grande importância para a sociedade baiana

 

Texto: Redação | Foto: Divulgação

Os Rosários dos Angolas | Foto: Divulgação

Os Rosários dos Angolas | Foto: Divulgação

As irmandades do Rosário na Bahia, desde as primeiras fundações em meados do século 17, até o final do século 19, foram, em sua maioria absoluta, instituídas e dirigidas por africanos angolas e seus parceiros crioulos. Este fenômeno indica uma valorização deste espaço por parte dos angolas, mais do que por qualquer outro grupo de africanos.

A identificação com as confrarias católicas aponta para a importância do catolicismo na África Central e, ao mesmo tempo, ressalta este elemento como fundamental na constituição de uma identidade particular dentro da comunidade escrava e da sociedade baiana em geral. Este livro também aborda o papel das irmandades na experiência dos escravos em Portugal, sugerindo uma perspectiva de investigação da história da devoção ao Rosário, das confrarias negras e da identidade angola ao longo do século 18 e circulando por três continentes.

Quer ver essa e outras reportagens da revista? Compre essa edição número 160

Comentários

Comentários