Leia trechos da entrevista com a designer baiana Goya Lopes que se destaca no segmento da moda afro-brasileira

 

TEXTO: Maurício Pestana | FOTOS: Arthur Viana e Divulgação | Adaptação web: David Pereira

 

A designer baiana, Goya Lopes | FOTO: Arthur Viana e Divulgação

A designer baiana, Goya Lopes | FOTO: Arthur Viana e Divulgação

A designer baiana Goya Lopes está fazendo história ao redor do mundo com suas criações. A cada ano, ela se renova nas coleções, que, além de um olhar bem atual, traz em destaque o contexto étnico afro-brasileiro. Goya estudou design durante três anos na Itália, onde também cursou litografia. De volta ao Brasil, iniciou a criação de um produto com status de peça única e que transmitisse não só o lado estético, mas, sobretudo, a cultura afro-brasileira.

O projeto Didara (‘bom’, em iorubá), existe há 11 anos com esse ideal. As cores fortes como amarelo, laranja, vermelho e belos motivos afros dão um tom especial e uma característica única em seu trabalho. Nesta entrevista, a artista-estilista fala sobre o panorama da moda no Brasil que, cada vez mais, ganha status de cultura. “O mundo inteiro sabe que a moda também é cultura. Até o governo tem reconhecido isso, a prova é o setorial de moda do Ministério da Cultura (Minc)”, afirma.

Como está o atual momento da moda no Brasil, com tanto destaque na mídia?

O momento atual é muito importante porque a moda está sendo reconhecida como cultura e é fundamental esse reconhecimento. O mundo inteiro sabe que a moda também é cultura. Até o governo tem reconhecido isso, a prova é o setorial de moda do Ministério da Cultura (Minc). Nós podemos pensar e começar a trabalhar como políticas públicas para a moda como cultura. É a coisa mais importante!

E como a moda afro-brasileira está inserida nesse contexto?

A moda afro-brasileira também está sendo vista como parte dessa cultura. É fundamental que nesse momento em que se está pensando na moda como cultura, pensarmos também em como trabalhar e pensar, realmente, como reconhecer a moda afro-brasileira, quem são os seus atores, quem somos nós nesse momento. Para tal, é necessário reconhecer e mapear esses atores.

Nós podemos pensar e começar a trabalhar como políticas públicas para a moda como cultura | FOTO: Arthur Viana e Divulgação

Nós podemos pensar e começar a trabalhar como políticas públicas para a moda como cultura | FOTO: Arthur Viana e Divulgação

Você é, talvez, a maior representante dessa moda afro-brasileira e que leva esse conceito para diversas áreas da sociedade. As pessoas gostam de vestir o seu trabalho. Isso sempre foi assim ou houve alguma resistência?

O início do meu trabalho foi um projeto de design. Ele nasceu direcionado a um público-alvo: o turista. Eu precisava construir um padrão e, para isso, era necessário, antes de tudo, ter um espaço, então construí isso tendo como laboratório o Pelourinho. Não só para a Bahia e para os baianos, mas, principalmente, para todas as pessoas que visitam a Bahia, ávidas por uma lembrança cultural. Coloquei-me num local adequado para que eu pudesse construir isso. Meu trabalho foi construído ao longo de 25 anos, não só na Bahia, mas em nível de interagir com todas as pessoas que passassem pela Bahia, inicialmente no Pelourinho e, depois, no aeroporto de Salvador.

Esse trabalho já consegue ser aceito e ter espaço garantido na sociedade brasileira?

A moda afro-brasileira ainda está muito longe de ser aceita dentro de um processo, porque ela exige uma produção, uma promoção, uma resposta positiva da mídia. A moda da diáspora étnica, da matriz africana, no mundo inteiro não tem essa resposta. Não é só a questão do trabalho, do talento, mas ela tem que ter uma resposta positiva em se tratando de resultado de venda, de mercado e de aceitação da mídia. Mas hoje, acredito que estamos numa situação bem melhor porque podemos trabalhar dentro do Brasil com a questão cultural e, principalmente, existe um potencial muito grande dentro da economia criativa. Hoje se acredita que seja uma mola propulsora no desenvolvimento. Então, por que não se trabalhar dessa maneira? Acredito que existe muita dificuldade, mas existe também uma grande possibilidade que é através da economia criativa.

O fato do Brasil, principalmente São Paulo e Rio e Janeiro, ter se tornado nos últimos anos parte do circuito mundial da moda tem ajudado a moda afro-brasileira?

Todo esse crescimento da moda afro-brasileira não está dentro deste contexto. É necessário, mais do que nunca, pensar em uma maneira de se organizar a moda brasileira dentro deste contexto, do que está acontecendo nesse circuito. Ela não existe! O que existe são atores isolados como eu, como outros que se falam e se apresentam, mas não existe, de fato, a moda afro-brasileira num contexto de Brasil e nem no contexto de fora. Porém, existe todo um potencial muito grande que é necessário se mobilizar para que isso aconteça. É necessário criar estratégias. O principal é formar um grupo unido para que se possa se apresentar isso. A moda no Brasil cresce, mas sem estratégia para a moda afro-brasileira.
Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 162.

Comentários

Comentários