Revista Raça

Capa

Afro Fashion Day: confira a lista de concorrentes da grande final

  • Autor: hamalli

  • Publicado em: 06/11/2018

  • Comentários:

s seletivas de modelos não agenciados do Afro Fashion Day 2018, projeto do Jornal Correio que celebra o Mês da Consciência Negra, mobilizaram jovens de diversos bairros de Salvad de novembro. Na tarde desta segunda-feira (05), 91 dos 518 inscritos participaram da semifinal realizada na Casa Salvador, na Barra. Destes, 25 irão para a grande final às 17h30 do dia 12, no Teatro Eva Herz na Livraria Saraiva, no Salvador Shopping.

“Esse ano foi mais difícil ainda que no ano passado. O nível dos modelos estava muito alto. Partimos para semifinal por isso, porque dentro dos 518 que se inscreveram tivemos muita dificuldade. E, ao invés de 20, serão 25 jovens na final. Aumentamos o número e sofremos, porque se tivéssemos mais espaço cabia ainda mais gente”, compartilhou Gabriela Cruz, editora de conteúdo de projetos do Jornal Correio e curadora do Afro Fashion Day. Ela compôs o júri da semifinal ao lado de Fagner Bispo, produtor de moda, e Júlia Magalhães, modelo e booker.

Vitória Carmo, de 16 anos, foi uma dessas pessoas potentes e preparadas para encarar a seleção. A adolescente saiu de Ilha de São João, no município de Simões Filho, para a seletiva em Plataforma, subúrbio da capital baiana. “Não foi um processo fácil. Esta semana estou muito nervosa. Ano passado eu participei, só que não passei. Mas eu vim e quem sabe a sorte venha desta vez”, conta a estudante, que disse ter aprendido a ter fé com a mãe, Edna Santos Pereira. A dona de casa de 48 anos confirmou o depoimento da filha: “eu ensinei para ela e o irmão gêmeo, que também participou das seletivas, mas não chegou na semifinal, a importância de acreditar para vencer. Desde novinhos eles tiravam foto um do outro e sonham em ser modelos”.
Persistir também foi importante para o estudante de produção cultural Jorge Luiz, de 19 anos. “Sou de Cajazeiras e participei da seletiva de Plataforma.  Estava muito ansioso. Não é questão de passar, porque ano passado eu participei também. É a possibilidade de dizer ‘eu quero, eu posso, eu consigo’. Estou curtindo meu momento. Estou me tremendo”, confidenciou o jovem que, segundo ele próprio, gosta mesmo é de “aparecer e dar close”.  “A gente tem de levar nossa personalidade através da roupa e mostrar que com pouco a gente faz muito. É além da estética. É mostrar que você está ali levando o que você diz e o que você é”.
Para Ilana Macedo, 24 anos, que participou da seletiva do Curuzu, chegar à semifinal foi motivo de surpresa. “Eu não imaginei. É o primeiro ano que me inscrevo. Como não sou do ramo da moda, não achei que seria semifinalista. Estou muito feliz. Para mim é tudo muito novo”, compartilhou a técnica de enfermagem e instrumentista cirúrgica.

Já o estudante Levi Albuquerque, 17 anos, acredita que o Afro Fashion Day é “espelho”. “Por muito tempo, nós, como negros, ficamos por trás. E agora estamos fazendo moda”, enfatizou o adolescente, fã do ator norte-americano Will Smith, que fez o seu corte do cabelo inspirado no artista.

Pessoas como Ilana e Levi, passando ou não para a última etapa das seletivas de bairro do Afro Fashion Day, podem iniciar a carreira de modelo. Para Pepê Santos, coordenador da One Models Bahia, que tem acompanhado as etapas como scouter (olheiro de talentos), esses momentos são importantes para descobrir modelos em potencial. “Tenho verificado perfis interessantes para a agência. Mesmo aqueles que não vão desfilar no dia 24 de dezembro podem vir a ser agenciados. É ver esse ‘garimpo’ e começar a dar essa luz para muitos futuros profissionais do ramo. Pisou, deu o primeiro passo? Estamos aí para dar oportunidade”, conta.

Em Plataforma, o grupo JP Model, por exemplo, criado por moradores do bairro, também se apresenta como uma possibilidade para que jovens iniciem suas carreiras como modelos. Nove pessoas que integram o projeto da comunidade participaram da semifinal. “A JP é uma legião de garotos periféricos que ensaia todos os domingos. Temos 90 alunos. Infelizmente, algumas agencias de moda não aceitam nosso perfil e criamos o projeto com a finalidade de dar visibilidade e proporcionar momentos de felicidade. É uma honra ter nove de nós na final”, ressalta Jadison Palma, morador de Fazenda Coutos III, idealizador do grupo e um dos modelos não agenciados participantes da semifinal.

Recentemente o grupo foi um dos vencedores do Prêmio Culturas Juvenis, realizado pelo Programa Corra pro Abraço/SJDHDS e pela ONG Cipó Comunicação, com foco em reconhecer boas ações e práticas de grupos culturais nas comunidades de Salvador.

Além de conhecermos os vencedores, a finalíssima, na próxima segunda-feira (12), contará com um bate-papo sobre moda e empreendedorismo com a empresária Najara Black, da N’Black, e o estilista Renato Carneiro, da Katuka Africanidades. A mediação fica por conta da jornalista Midiã Noelle, repórter especial do Afro Fashion Day e idealizadora do site A Lista Negra, que conta histórias de vida de empreendedores negros.

Realizado pelo Jornal Correio, com apoio do Salvador Shopping, Sebrae, Casa Salvador e Califórnia Media House, o Afro Fashion Day celebra o Mês da Consciência Negra dando visibilidade para modelos negros, cultura afro-brasileira e os trabalhos de marcas locais. Esse ano, o desfile coletivo vai acontecer no dia 24 de novembro, às 19h, com entrada franca, em local ainda a ser confirmado.

Confira os nomes dos selecionados para a grande final da seletiva de modelos não agenciados para o Afro Fashion Day 2018, marcada para às 19h de segunda-feira, 12 de novembro, no Teatro Eva Herz na Livraria Saraiva, no Salvador Shopping:

Fonte: Correio

Comentários

Comentários