Saiba a opinião do colunista Oswaldo Fautisno sobre as brincadeiras preconceituosas com negros

 

Texto: Oswaldo Faustino | Foto:Divulgação | Adaptação Web Sara Loup

Brincadeiras preconceituosas com negros | Foto: Divulgação

Brincadeiras preconceituosas com negros | Foto: Divulgação

 

É como se o porteiro negro de um estabelecimento que barra a entrada de outro negro, atendendo à ordem do patrão branco, deixasse de ser um ato racista. É bem possível que, ao gravar uma música chamada Kong e lançar um vídeo clipe em que aparece fantasiado de gorila juntamente com Neymar e amigos, o pagodeiro Alexandre Pires o fez por interesse da mídia em minimizar a frase de um humorista de stand up: “King Kong, um macaco que, depois que vai para a cidade e fica famoso, pega uma loira. Quem ele acha que é? Jogador de futebol?”.

Para ele e para muitos, vale tudo, quando se trata de brincadeira. Tanto no filme do cineasta nova-iorquino Spike Lee, A hora do show (Bamboozled, 2000), quanto no documentário do mesmo ano do diretor brasileiro Joel Zito Araújo, A Negação do Brasil, o tema “black face” é sobejamente discutido. Ambos encerram com uma sucessão de imagens de como o cinema americano (inclusive no campo da animação) e as telenovelas brasileiras construíram um estereótipo inferiorizado e ridicularizando os personagens negros, respectivamente, nos EUA e no Brasil.

“A máscara que um ator usa está prestes a se tornar seu rosto”, afirma o filósofo Platão. E esse é o rosto que, desde o século 19, os Minstrel Shows americanos um tipo de teatro popular impingiram aos negros. Eram atores brancos com a face pintada de preto por uma pasta de carvão ou por cortiça queimada. Em volta da boca, faziam uma larga faixa branca, que seriam os grossos lábios. Faziam movimentos caricatos e uma voz que ridicularizava o falar dos negros, com histórias ambientadas no sul do país, onde o racismo era mais cruel. O primeiro filme sonoro da história do cinema, O Cantor de Jazz, de 1927, com o cantor Al Jolson, usou esse artifício.

Na telenovela brasileira A Cabana do Pai Tomás, produzida pela Globo em 1969, baseada no romance Uncle Tom’s Cabin, de Harriet Beecher Stowe, trazia o ator Sérgio Cardoso no papel título, além de viver dois outros, um deles o presidente Abraham Lincoln. O negro, nessa novela, não chegou a ser caricato nem ridículo, mas tinha um comportamento extremamente submisso, aqui chamado de “Pai João”.

Sobre a Black-face, que depois dessa fase se utilizou de atores e atrizes afro-americanos interpretando personagens que mantinham esses estereótipos. Entre vários outros que são exibidos ainda hoje impunemente e até ganharam versões nacionais. E, de repente, estamos gargalhando, aos assisti-los! E depois nos desculpamos dizendo que foi só brincadeira...

Quer ver essa e outras reportagens da revista? Compre essa edição 160

Comentários

Comentários