Saiba mais sobre o CD e DVD de Áurea Martins

 

Texto: André Rezende | Foto: Divulgação 

Áurea Martins | Foto: Divulgação

Áurea Martins | Foto: Divulgação

Uma surpresa pra lá de agradável foi receber o CD/DVD de Áurea Martins, de 72 anos, cantora pela qual tenho profunda admiração. Iluminante (lançado pela Biscoito Fino em parceria com o Canal Brasil) é o primeiro registro áudio-visual dessa carioca que há muito tempo encanta a noite carioca com sua voz rouca e aveludada.

O primeiro registro fonográfico veio em 1972, mas apesar de quatro décadas na estrada, ela gravou apenas mais dois discos, De ponta cabeça e Até Sangrar, sendo que este último, de 2008, lhe rendeu o troféu de melhor cantora no Prêmio da Música Brasileira, em 2009. E por que uma cantora do calibre de Áurea, uma das intérpretes preferidas de Elizeth Cardoso, frequentou tão pouco as gravadoras brasileiras? Talvez por ter sido, desde o início, ela mesma, sem se vender a modismos e estereótipos.

“Definitivamente, não sou o tipo de pessoa que faz o que os outros querem.” Quando começou, cantora negra do subúrbio geralmente era fadada ao samba e suas vertentes, mas Áurea ousou cantar o que gostava, jazz, blues, bossa nova e interpretar ícones como Tom Jobim, Chico Buarque.

“Pelo fato de eu ser negra, queriam que eu só cantasse pagode.” Áurea não seguiu padrões preestabelecidos e, por isso, não conseguiu espaço na grande mídia durante todos esses anos. Por outro lado, ela é aclamada no meio musical (principalmente na noite carioca) e, reconhecidamente, uma das maiores cantoras do nosso país, sem fazer alarde, soltando a bela voz com uma segurança e um grande tesão pela profissão.

 

Quer ver esta e outras colunas e matérias da revista? Compre esta edição número 170

Comentários

Comentários