Revista Raça

Capa

Coletivos negros denunciam possível fraude no sistema de cotas da UFSC

  • Autor: hamalli

  • Publicado em: 02/07/2018

  • Comentários:

Denúncia de coletivos negros mostram que, entre os anos de 2014 e 2017, a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não realizou a banca de verificação, o que teria permitido que alunos brancos fraudassem o sistema de cotas PPI (pretos, pardos e indígenas) por meio da autodeclaração étnico-racial. O Coletivo Negro Lélia Gonzales (LeGon), Coletivo Kurima, Movimento Negro em Defesa das Cotas, Coletivo Vozes Negras e Coletivo Negro Sabres assinam o documento, que foi encaminhado à reitoria da universidade e será apresentado ao Ministério Público Federal até quinta-feira (21/6).

Na denúncia, além de solicitar a verificação de todas as autodeclarações, os coletivos pedem o fim do critério de unanimidade nas decisões. O levantamento feito pelos coletivos aponta que ao menos 40 alunos entraram nos cursos de Direito, Medicina, Enfermagem, Odontologia, Arquitetura, Psicologia e Engenharias usando o termo “pardo” na autodeclaração.

(…)

A denúncia foi feita depois de uma verificação fotográfica realizada nas redes sociais dos alunos que constavam na lista de aprovados pelo sistema PPI, os nomes foram obtidos por meio do Portal da Transparência, do Ministério da Educação (MEC). Os coletivos ressaltam que esses estudantes são brancos, uma vez que não apresentam fenótipos característicos de pessoas negras. De acordo com o edital da UFSC, que segue os padrões nacionais para cotas PPI, 32% das vagas de cada curso devem ser destinadas para candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas.

Comentários

Comentários