Revista Raça

Capa

É dia de treinamento contra o racismo no Starbucks

  • Autor: hamalli

  • Publicado em: 29/05/2018

  • Comentários:

O treino acontece depois que dois homens negros, Rashon Nelson e Donte Robinson, foram presos em uma unidade da rede na Filadélfia em abril

Nesta terça-feira, 8.000 lojas da rede de cafeterias Starbucks estarão fechadas nos Estados Unidos durante 4 horas. A tarde será reservada para um treinamento sui generis: os cerca de 175.000 baristas da companhia irão participar de um seminário, com foco em evitar atitudes enviesadas contra os clientes. O treino acontece depois que dois homens negros, Rashon Nelson e Donte Robinson, foram presos em uma unidade da rede na Filadélfia em abril. Os dois estavam esperando na loja para fazer uma reunião de negócios, mas não haviam consumido.

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

  • Conselho da Petrobras debate política de preço e o futuro da estatal
  • A greve segue e outras greves começam pelo Brasil
  • TSE pode encurralar Lula
  • Curtas – uma seleção do mais importante no Brasil e no mundo

Foi o suficiente para a gerente chamar a polícia, que levou ambos algemados e os manteve em custódia até o final do dia, quando eles foram liberados sem nenhuma acusação formal. O caso gerou furor nos Estados Unidos, depois que um vídeo do acontecimento viralizou, apontado como uma amostra do sistema acusatório contra negros no país. Nelson e Robinson firmaram um acordo com a cidade da Filadélfia: cada um deles recebeu 1 dólar de danos morais e a cidade irá investir 200.000 dólares em programas para jovens empreendedores. Para o Starbucks, nada poderia ter sido mais danoso à imagem e o presidente da companhia, Kevin Johnson, se desculpou pessoalmente aos dois.

O treinamento é desenhado para discutir o viés implícito, promover inclusão e tentar prevenir discriminação por parte dos funcionários — e evitar incidentes futuros. O material conta com vídeos do presidente da companhia, Kevin Johnson, do rapper Common e de membros do Instituto Perception, que falam sobre ansiedade racial e como servir melhor os consumidores. Segundo Johnson, a prisão não levou a quedas nas vendas da rede, que faturou 6 bilhões de dólares no primeiro trimestre de 2018. Apesar disso, evitar novas crises é fundamental, principalmente para uma cadeia historicamente progressista em um mundo cada vez mais de olho em temas sociais.

Comentários

Comentários