É importante pedir perdão aos negros e índios brasileiros

Redatormarço 16, 20204 min
https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2020/03/1-Q2NtYygJbch_mjUYOi1IkA-1024x683.jpeg

Por: Théo Van Der Loo

Muitos dizem que esta discussão em torno da escravidão e suas consequências é coisa do passado, pois “já faz muito tempo que isso aconteceu”. É verdade, concordo que devemos pensar muito mais no hoje e no amanhã. Mas para que possamos avançar, acredito que seja igualmente importante reconhecer os erros e atrocidades históricas cometidos pela humanidade. Recebo muitas críticas dizendo que somos todos humanos e que devemos esquecer essa “coisa de raça”. Ocorre que, até os dias de hoje, alguns humanos se acham mais humanos (superiores) que os outros.

Os humanos -brancos que criaram e se beneficiaram da escravidão nos anos 1500 e os humanos-negros que viram suas vidas e sonhos destruídos, já não estão aqui. Mas as sequelas dessa odisseia persistem até os dias de hoje. Uma delas é o racismo e a desigualdade crônica. A abolição da escravatura ocorreu em 1888, mas o racismo e preconceito ainda segue muito presente. Nunca houve um reconhecimento e pedido de perdão formal do estado brasileiro e de Portugal, pelas atrocidades e injustiças históricas cometidas contra os negros.

Quero fazer uma analogia com a questão do povo Judeu, que foi perseguido durante toda sua vida. O Holocausto entre 1941 e 1945, durante a II Guerra Mundial, foi ponto mais horroroso desta história. Após a II Guerra, houve um esforço enorme de vários países para ajudar a comunidade judaica a se reerguer. Será impossível eliminar os traumas e sequelas deixados pelo Holocausto. Está história jamais poderá ser esquecida, em memória às vítimas e seus descendentes e para que ela jamais se repita.

Para continuar lendo esse artigo, faça a assinatura digital em https://revistaraca.com.br/assinatura/

Comentários

Comentários

Redator

https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2017/08/logo-scaled.jpg

Há 24 anos no mercado, a pioneira e mais antiga publicação negra do Brasil.

Comentários

Comentários