O baiano Anderson Sá, pretende conciliar a profissão de economista com a de modelo

 

Texto: Redação | Foto: Divulgação | Adaptação Web Sara Loup

Anderson Sá | Foto: Divulgação

Anderson Sá | Foto: Divulgação

O baiano Anderson Sá, de 24 anos,é estudante de Ciências Econômicas da Universidade Federal da Bahia (UFBA) e faz estágio no setor financeiro da Odebrecht (OCS). Como muitos jovens que batalham pelo sucesso, ele tem um rotina puxada que o obriga a se deslocar por vários bairros de Salvador, porém, determinado, o cansaço passa a ser apenas um detalhe.

“Saio de uma aula, em um campus, e vou para outra, em outro bairro. Depois é o estágio, em outra localidade. Apesar de ser cansativo em alguns momentos, faz parte do meu crescimento pessoal,intelectual e profissional”, diz, ciente da oportunidade que tem nas mãos, principalmente por estar em uma empresa que privilegia o talento.

“A questão racial nunca foi um problema no meu ambiente de trabalho. Sempre me avaliaram pelo meu desempenho, não pela cor da minha pele. Essa visão contribui para que eu continuem e desenvolvendo e crescendo junto com a empresa.” Solidário, pretende ajudar pessoas,  principalmente de baixa renda e negras, a consolidar em ideias criativas que possam mudara vida financeira delas.

“Para que multipliquem o que lhes foi dado, causando assim, uma espécie de reação em cadeia”, explica. Em um futuro próximo, Anderson pretende se firmar como um grande economista, no entanto, boa-pinta que é (e incentivado por comentários positivos sobre a sua beleza), quer conciliar a profissão com uma carreira paralela de modelo. E haverá tempo para se dedicar a dois trabalhos tão diferentes?

“Boa pergunta, mas mesmo sendo tão conflitantes, vejo que é possível alocar tempo e bastante dedicação para que uma não afete negativamente a outra”, projeta o jovem baiano. Para tanto, ele sabe que será necessário muito foco e, acima de tudo, gostar realmente do que se faz. Quanto a isso, Anderson Sá, fã de Nelson Mandela e Barack Obama parece não ter mais dúvida.

Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 168

Comentários

Comentários