Conheça a história de Beatriz Nascimento que lutou até o fim da vida pelos direitos das mulheres e pela igualdade racial

 

Texto: Oswaldo Faustino | Foto:Bethânia Gomes | Adaptação Web Sara Loup

Beatriz Nascimento | Foto: Bethânia Gomes

Beatriz Nascimento | Foto: Bethânia Gomes

Quem mergulha nos pensamentos, nas angústias e na história de vida da guerreira negra Beatriz Nascimento, que deu a vida em defesa do respeito à dignidade feminina, nunca mais se sentirá como era antes.

Uma história que se inicia em Aracaju, e prossegue,em 1945, quando Beatriz tinha três anos, assim como na canção de Dorival Caymmi: “peguei o Ita no norte pra vir pro Rio morar...”.

Foi exatamente nesse famoso navio de retirantes que embarcaram o pedreiro Francisco Xavier Nascimento, a dona de casa Rubina Pereira Nascimento e seus 11 filhos, na década de 50, para desembarcar em meio às imensas dificuldades de uma cidade em ebulição político-social, carente de infraestrutura, que já não comportava sua população negra pobre imigrante.

Nesse universo e realidade foram forjadas tanto a personalidade quanto as reflexões que se constituem no pensamento vivo dessa intelectual que iniciou sua graduação em História, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), aos 28 anos. A quantidade de horas-aula, em escolas da rede pública de ensino que precisava cumprir, para garantir a própria sobrevivência, jamais foi desculpa para Beatriz Nascimento não prosseguir sua dedicação à pesquisa sobre questões relacionadas com a história e a cultura afro-brasileiras.

MILITÂNCIA, DEBATES, NEGRITUDE

A opressão da ditadura, marcadamente após 1968, com o Ato Institucional número 5, produziu nos movimentos sociais da época o efeito de uma mola: quanto maior a compressão, maior o impulso da reação. Desta forma, o movimento negro e o estudantil, principalmente nos grandes centros urbanos, reagiram tanto com manifestações e reivindicações quanto com a busca de aprofundamento na busca de conhecimentos sobre as questões de seu interesse.

Na Universidade Federal Fluminense (UFF), em 1974, onde posteriormente fez sua pós-graduação, Beatriz liderou a criação do Grupo de Trabalho André Rebouças e, por meio dele, conectava-se com pesquisadores negros e brancos que produziam saberes no país e fora dele. Ao mesmo tempo, compartilhava suas reflexões com os demais por meio de conferências e debates, como os que ocorriam, anualmente, nas Semanas de Estudos sobre a Contribuição do Negro na Formação Social Brasileira.

Era para enfrentar o racismo que Beatriz Nascimento se dedicava tão intensamente aos estudos. Muitos de seus artigos publicados, entrevistas, conferências, explanações e debates, em seminários e entre as militâncias, abordam a correlação entre a corporeidade negra e seus espaços permanentes como quilombos e outros dedicados à religiosidade de matriz africana ou transitórios, como os bailes black, os clubes sociais negros e as escolas de samba.

Suas palavras-chave são “transmigração” sobre os deslocamentos dos africanos e afrodescendentes, ao longo do tempo, por exemplo, da senzala para o quilombo, do campo para a cidade, do Nordeste para o Sudeste  e “transatlanticidade” decorrente da diáspora africana que recria a cultura negra na relação intercontinental .

Beatriz também se valeu da arma chamada palavra com a qual construiu poemas que desnudam sua alma de mulher negra. Ela faz parte de uma história de mulheres que combateram frontalmente o sexismo, o machismo e as violências domésticas. Pagou com a própria vida a solidariedade de abrigar, em sua casa, uma amiga, vítima desse tipo de violência.

Era 28 de janeiro de 1995. O criminoso era um presidiário beneficiado pelo indulto de Natal, que não retornou à prisão na data determinada. Comenta-se que pertenceria ao esquadrão da morte, raiz das atuais milícias que promovem o genocídio da juventude negra. Que falta nos faz Beatriz Nascimento para enfrentar, de cabeça erguida, mais essa prática racista!

Quer ver essa e outras reportagens da revista? Compre essa edição 176

Comentários

Comentários