Veja a história de alguns dos grandes inventores negros

 

TEXTO: Sandra Almada | FOTOS: Divulgação | Adaptação web: David Pereira

Os inventores Frederick Jones (à esquerda) e Alexandre Miles (à direita)

Os inventores Frederick Jones (à esquerda) e Alexandre Miles (à direita)

ALEXANDER MILES

Quem se arriscaria a entrar num elevador sabendo que a engenhoca poderia tombar vertiginosamente de uma altura considerável, levando todos, literalmente, para o fundo do poço? No século 19, passar por esse tipo de sufoco era bem comum, até quando Alexander Miles criou o elevador elétrico, patenteado por ele em outubro de 1887. É bem verdade que Miles – nascido em Ohio, em 1838, nos EUA – não foi o inventor da máquina, mas melhorou enormemente seu funcionamento, como o abrir e fechar das portas, que passou a se dar automaticamente. Ele criou também outro mecanismo automático, que passou a impedir o acesso ao poço, evitando os tão frequentes acidentes. Um avanço sem o qual não existiriam os arranha-céus de hoje.

PHILIP DOWNING

Carteiros que nos gritam o nome, como sugere a música de Cícero Nunes e Aldo Cabral, sucesso nos anos 40 (“Quando o carteiro chegou e meu nome gritou com uma carta na mão...”) já não existem mais, mas a caixa de correio, invenção do afro-americano Philip Downing, é utilidade até hoje. A "caixa de correio de rua” (denominação do próprio Philip) era um dispositivo de metal sustentado por 4 pernas e foi patenteada em 27 de outubro de 1891.

FREDERICK JONES

Nascido pobre, em Ohio, em 1883, não se imaginava que o menino negro Frederick Jones fosse driblar as dificuldades da vida e transformar-se num inventor notável. Órfão aos oito anos de idade, ele interrompeu os estudos muito cedo e, aos 16 anos, empregou-se como aprendiz de mecânica, área que estimulou sua capacidade inventiva. Interessado, inteligente e devotado à leitura, Jones aprendeu os mistérios da eletrônica, sozinho. De posse destas habilidades, criou um dispositivo capaz de casar som com imagem em movimento e chamou a atenção de empresários da indústria do cinema. Eram os anos 30 do século 20. Em 1935, o afro-americano deixou seu nome marcado pela criação de outro importante invento: o ar-condicionado. Morreu em1961, tendo deixado em seu nome 66 patentes, das quais 40 na área de refrigeração.

CHARLES BROOKS

Com uma invenção simples, ajudou a deixar as cidades mais limpas ao desenvolver um caminhão com grandes escovas acopladas que retiravam a sujeira das ruas com mais facilidade.

Veja a história de outros inventores negros.
Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 161.

 

Comentários

Comentários