Astro da NBA Kobe Bryant morre em acidente de helicóptero

hamallijaneiro 26, 20204 min
https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2020/01/123-1024x774.jpg

TMZ informa que o ex-jogador viajava com outras quatro pessoas quando o acidente aconteceu em Calabasas, na Califórnia. Família e NBA ainda não se pronunciaram

O astro da NBA Kobe Bryant, de 41 anos, morreu na tarde deste domingo em um acidente de helicóptero, na cidade de Calabasas, na Califórnia. De acordo com as informações iniciais, outras quatro pessoas estavam na aeronave e também não sobreviveram à queda. Sua esposa, Vanessa e os filhos, a princípio, não estão entre as vítimas. A informação inicial foi dada pelo site “TMZ” e confirmada por outros veículos americanos, como ESPN e Variety. Pouco depois, a confirmação oficial através da cidade de Calabasas.

O acidente foi noticiado pouco antes do início da rodada deste domingo na NBA. A liga americana ainda não se pronunciou oficialmente, mas houve um minuto de silêncio antes da partida entre Denver Nuggets e Houston Rockets.

De tão imodesta, uma verdade soa a ultraje: Kobe esteve fadado a ser um dos melhores de sua geração desde os primeiros arremessos. Filho de Joe Bryant, jogador de nível mediano na NBA dos anos 70 e 80, Kobe viveu seus anos de formação na Itália, onde o pai decidiu apostar as fichas ao fim da carreira. Foram anos que moldaram seu jogo de maneira única em relação a outros jovens americanos. Enquanto nos Estados Unidos a AAU – Amateur Athletic Union, organização não lucrativa dedicada a promover novos jogadores nos EUA – empurrou os atletas para o desenvolvimento de aspectos físicos como atleticismo, força e explosão, na Itália, Kobe Bryant pôde beber da fonte do “fundamento acima de tudo”, um mantra repetido exaustivamente no basquete de base de países como Argentina, Espanha, Lituânia e claro, Itália.

Foram cinco títulos (2000, 2001, 2002, 2009, 2010), um prêmio de MVP (2008), dois troféus de MVP das finais (2009 e 2010), 11 nomeações para a seleção da NBA, nove nomeações para a seleção de defesa, 18 All-Star Games, duas vezes cestinha da temporada, terceiro maior cestinha da história da liga, segunda maior pontuação em um jogo (81 contra o Toronto). Sem falar naquilo que não se mede: a liderança, o caráter, o estilo, a beleza dos movimentos, o papel inegável na popularização do basquete mundo afora.

https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2017/08/logo-scaled.jpg

Há 24 anos no mercado, a pioneira e mais antiga publicação negra do Brasil.