Saiba mais da história de Afrika Bambaata, um dos ícones do hio hop mundial

 

TEXTO: Daniel Keny | FOTO: Divulgação | Adaptação web: David Pereira

O DJ Afrika Bambaataa | FOTO: Divulgação

O DJ Afrika Bambaataa | FOTO: Divulgação

O hip hop conquistou seu espaço na mídia e tem um público fiel e diversificado que o consagra como uma das mais populares vertentes da música em todo mundo. Embora esteja presente na cultura de vários países, os Estados Unidos ainda são a maior concentração criativa. Lá estão os rappers mais famosos e ricos da indústria musical. Afrika Bambaataa talvez não faça parte do seleto grupo de estrelas do hip hop, que conta com nomes como Kanye West, Snoop Dogg, Eminem, 50 Cent, entre outros,mas a origem do estilo pode ser creditada a ele. O marco para tal feito foi o álbum Planet Rock, lançado há 31 anos, que mostrou ao mundo o clássico single homônimo. No Brasil, o lançamento da música ocorreu em 1985 e foi além do hip hop, pois influenciou gêneros como a música eletrônica e o electro-funk, que movimentam muitas pistas de dança até hoje.

Em 1974, o DJ Afrika Bambaataa agitava festas no Bronx, em Nova Iorque, berço da cultura hip hop, na companhia de amigos importantes dentro da cena, como Grandmaster Flash e Kool Herc. Com apenas dois toca-discos, foram pioneiros na técnica de emendar uma música na outra. Além dos DJs, outros três pilares do hip hop nasceram ali: os MCs, responsáveis por animar o público com suas rimas, o breakdance e o grafite.

Bambaataa é um idealista, um eterno questionador. Exatamente para usar a força da cultura hip hop na formação de jovens,criou a Zulu Nation, organização que possui filiais em vários países, inclusive no Brasil. A entidade começou com ex-membros de gangues nova iorquinas que desejavam reduzir a violência nas ruas, oferecendo aos jovens a possibilidade de participar de atividades relacionadas principalmente à música e à dança. Bambaataa tem forte ligação com a África. Foi lá que buscou inspiração para seu trabalho frente a Zulu Nation.

Em contato com os sul-africanos, viu de perto a luta contra o apartheid, encabeçada por Nelson Mandela, e realizou diversos concertos ao longo dos anos para ajudar a levantar dinheiro e mostrar apoio à causa. Hoje, Bambaataa viaja o mundo difundindo a cultura hip hop com o objetivo de ensinar os jovens a ver e interpretar o estilo em sua verdadeira forma. “A meu ver, a cultura hip hop se propõe a unir a humanidade como uma só. Unir o planeta sob um só groove, um movimento. Não existem negros, brancos, altos, baixos, brasileiros, americanos, homens ou mulheres. Somos todos seres humanos”, afirma.

 

Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 182.

Comentários

Comentários