Paula Lima se reinventa em meio à pandemia

Redaçãomaio 14, 20204 min
https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2020/05/Paula-Lima-1HD_Paula-Lima_creditos-Rogerio-Mesquita-1280x1531.jpg

Antes das recomendações de isolamento social, por conta da pandemia do coronavírus, Paula Lima estava em turnê com o projeto “Soul Lee”. Com as gravações de seu próximo disco paradas e sem poder fazer shows, ela, assim como diversos artistas do cenário musical, teve que se reinventar. Pouco antes do período de quarentena, recebeu o convite do CEO da União Brasileira dos Compositores, Marcelo Castelo Branco, para fazer parte da diretoria da instituição. Ao aceitar a posição na UBC, Paula adotou como responsabilidade a luta pelos direitos dos músicos brasileiros, ameaçados pelo frágil momento.

“Defender a arte, a música, o direito dos compositores e intérpretes é de extrema importância para a cultura do país”, comenta a cantora.

Embaixadora da campanha #SomosTodasMariadaPenha, do Tribunal de Justiça de São Paulo e com forte envolvimento em pautas da cultura negra, Paula se juntou a um time de importantes mulheres da música tema do mais novo projeto da Central Única das Favelas, CUFA. O trabalho admirável criado por Celso Athayde, é o motivo da canção Mães da Favela, composta por Dudu Nobre e Nega Gizza, que reuniu Paula, Ivete Sangalo, IZA, Karol Conká e Daniela Mercury e outras na gravação de um clipe. O vídeo, que foi ao ar pela primeira vez no encerramento do Fantástico em 10 de maio, Dia das Mães, serve para chamar atenção para doações de recursos para mães solo da favela.

No âmbito pessoal, Paula aproveita o tempo livre para “sair do automático” e se dedicar ao piano. Profissionalmente, adaptou sua casa para ser o estúdio de gravação do Chocolate Quente, seu programa na Rádio Eldorado FM, que não deixou de ter episódios inéditos durante a quarentena. Também faz lives às quintas-feiras entrevistando grandes nomes da música no Instagram da UBC, para arrecadar recursos para o Juntos pela Música, fundo criado em parceria com o Spotify para auxiliar artistas que tiveram a renda afetada pela pandemia. Dentre os artistas que já conversaram de maneira descontraída com a cantora, estão Rael, Margareth Menezes e Roberta Sá.

Isolada em sua casa e juntando prazeres ao se reinventar, Paula fala sobre o cenário do futuro de maneira esperançosa e ansiosa:

“Estamos todos num processo evolutivo de cuidar e dar atenção ao que realmente importa. Cada encontro que tivermos será ainda mais especial”, diz a cantora.

Comentários

Comentários

Redação

https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2017/08/logo-scaled.jpg

Há 24 anos no mercado, a pioneira e mais antiga publicação negra do Brasil.

Comentários

Comentários