Veja casos em que a mistura da pele negra com olhos claros encanta, atrai curiosidade e, muitas vezes, gera polêmicas

 

TEXTO: Roniel Felipe | FOTOS: Roniel Felipe e TV Globo Renato/Rocha Miranda | Adaptação web: David Pereira

 

A cantora Rihana que tem a pele negra e olhos claros | FOTO: TV Globo Renato/Rocha Miranda

A cantora Rihana que tem a pele negra e olhos claros | FOTO: TV Globo Renato/Rocha Miranda

 

Confira exemplos de negros com olhos claros.

Quando a pequena Dulce Aparecida Estevão veio ao mundo com seus chamativos olhos verdes em uma maternidade de Campinas, a canção Olhos Coloridos (Sarará Criolo), de Sandrade Sá, já era cantarolada por toda uma geração. Havia dois anos que a cantora carioca lançara a canção que exalta a beleza negra, quando a coloração dos olhos da criança, nascida na cidade vizinha à capital São Paulo, se destacou no berçário e intrigou seus parentes mais próximos. “Na época, foi uma surpresa para muita gente, pois nenhum membro da família tinha olhos verdes. Meu pai conta que, ao me levar para casa, houve uma tremenda confusão. Quando estávamos deixando o hospital, os seguranças da maternidadelhe abordaram suspeitando que se tratasse de um sequestro. Tudo porque, além dos olhos, eu tinha uma pele mais clara que a do meu pai”, conta Dulce. Passados 28 anos após o esdrúxulo episódio, os olhos claros da jovem ainda são motivo de admiração e muitos questionamentos por parte de curiosos. Inquieta, Dulce resolveu mergulhar em suas origens e passou a pesquisar sua árvore genealógica. “Descobri que minha bisavó tinha olhos verdes. A partir dela, alguns membros da família nasceram com olhos claros. Por fim, descobri que um tio também tem olhos verdes”, explica a farmacêutica.

 

O operador de produção William Lima Nogueira é outro negro campineiro que atrai olhares curiosos por onde passa devido aos seus olhos castanho-esverdeados. Hoje, aos 30 anos de idade, Wil, como é mais conhecido entre seus amigos e familiares, se acostumou coma reação das pessoas. “Rola muita coisa estranha. Já me perguntaram se eu consigo enxergar normalmente. Tem gente que diz que não consegue olhar diretamente para meus olhos sem ficar sonolenta”, narra, em tom sorridente.

Mesmo em um país extremamente miscigenado como o Brasil, é muito comum as pessoas duvidarem da naturalidade dos olhos claros dos negros. O Estado de Pernambuco é um bom exemplo da mistura de etnias. As incursões holandesas durante o século 17, somadas à mistura com o povo local, resultaram em muitos brasileiros com características físicas europeias. Com a passagem dos anos, houve uma mistura ainda maior e mais casos de negros com olhos claros. Mesmo assim, a pergunta “esse olho é lente, né?”, perdura.

Com bom humor e sem perder a esportiva, o mineiro Marcelo Cezarino dos Santos Felipe, de 26 anos, costuma se sair bem nessas situações. “A história mais estranha foi a de uma colega que não acreditava de maneira alguma que meus olhos são naturais. Tive que tocar minhas pálpebras para ela perceber que eu estava falando a verdade. No fim, a moça ficou sem graça”, revela o consultor de vendas em telecomunicações, morador de Varginha. Ele já foi questionado se usar lentes o dia todo não lhe incomodava!

Apesar das perguntas e brincadeiras, possuir olhos com coloração diferenciada da maioria dos negros faz com que esses jovens sejam considerados pessoas atraentes e, consequentemente, aduladas por onde passam. Esse é o caso da jornalista Danielle Augusto de Araujo, de 36 anos. “Um dos elogios que mais gostei de receber foi o que disse que meus olhos eram o reflexo de minha alma”, conta a carioca radicada na capital paulistana. “Ainda não tenho filhos, mas gostaria que eles também tivessem os olhos verdes”, complementa.

 

O operador de produção William Lima Nogueira | FOTO: Roniel Felipe

O operador de produção William Lima Nogueira | FOTO: Roniel Felipe

 

A CIÊNCIA DA VIDA EXPLICA

Polêmica! Esse é um substantivo que, por muitas vezes, acompanha casos que envolvem crianças com olhos ou cor de pele diferente de seus genitores. É comum as pessoas afirmarem que, nesses casos, houve infidelidade ou até mesmo troca de bebês na maternidade. No entanto, a biologia se encarrega de explicar com exatidão o que acontece. “A cor dos olhos é um tipo de variação contínua controlada por genes denominados modificadores, pois os alelos (genes que se correspondem e estão situados em regiões distintas dos cromossomos homólogos) de vários genes influem na coloração final dos olhos. Isso ocorre por meio da produção de proteínas que dirigem a proporção de melanina depositada na íris”, explica Débora Silva Rodrigues, de 25 anos, mestranda em Biologia Celular e Estrutural com ênfase em Citogenética e Biologia Molecular na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Ainda de acordo com a bióloga, diferentemente do que muitas pessoas imaginam, a equação de genes é mais complicada do que parece, pois não se limita à soma de dois únicos genes. O primeiro gene envolvido com a coloração da íris é o EYCL3, que possui alelos castanhos e azuis. Já o EYCL1, apresenta alelos azuis e verdes, ligados à presença de pigmentos de gordura na íris. Por fim, dentre todos os alelos, há a predominância do castanho. “Se uma grande quantidade de melanina estiver presente na íris, os olhos serão negros ou castanhos. Se pouca melanina estiver presente, a íris parecerá azul. Concentrações intermediárias produzirão cores cinza, verde e diversas tonalidades de castanho”, explica a especialista.

Quer ver essa e outras reportagens da revista? Compre essa edição número 164.

Comentários

Comentários