Conheça a história do Sarau do Binho

 

TEXTO: Cláudia Canto | FOTOS: Vladi Victorelli | Adaptação web: David Pereira

O Sarau do Binho reúne a poesia com a periferia | FOTO: Vladi Victorelli

O Sarau do Binho reúne a poesia com a periferia | FOTO: Vladi Victorelli

As grandes periferias do Brasil, bares e igrejas podem ser encontrados em quase todas as esquinas, e o mais inusitado é que, muitas vezes, estão separados apenas por uma única parede. A cultura? Bem, essa quase sempre está do lado de lá, depois da ponte (gíria usada por poetas das periferias, quando se trata de situar geograficamente os bairros onde moram). Nas periferias não há museus nem teatros, e as bibliotecas contam-se nos dedos. Nesse cenário, o que ninguém esperava é que a poesia e suas vertentes fossem nascer (e dar ótimos frutos) justamente naquele boteco da esquina. No Campo Limpo, por exemplo, a segunda-feira veste-se de vermelho e vem com força total. É o Sarau do Binho – uma referência no bairro – que, há oito anos, reúne poetas, escritores, intelectuais e uma boa parcela da própria comunidade. Na ocasião, muitos expressam suas ideias por meio de diversas linguagens artísticas. É um intercâmbio cultural!

Lá, as pessoas passaram a viver a poesia no seu cotidiano e isso se reflete automaticamente na autoestima e na postura da população. O espaço é simples e as mesas apertadas são disputadas a cada início de semana. Quando não há mais lugar, o jeito é ocupar a rua para não perder o “evento”. O sarau se tornou tão popular que já virou matéria de vários veículos de comunicação, inclusive programas de TV, além de teses universitárias. E não é para menos, cerca de 80% da população do Brasil está nasperiferias, ou seja, uma esmagadora maioria que, aos poucos, vem descobrindo o seu valor.

“Conheci a poesia através da ‘biodança’, um curso que fiz em 1995, desde então, ela começou a fazer parte da minha vida”, diz Paulo Paion, mais conhecido como Binho, o responsável pelo sarau. Tudo começou de maneira despretensiosa, em uma roda de música que acontecia nos finais de semana em um bar vizinho ao que hoje acontece o sarau. Velas eram acesas nos cantos do bar, e o clima do local ficava amistoso. Envolvidos naquele ambiente, as pessoas começaram a sentir necessidade de recitar poesias. “Um pedia daqui, outro dali, a coisa foi acontecendo esporadicamente, sem grandes pretensões. Passei a colar poesias nos postes, dando origem ao movimento Poestesia, mas não ficou só por aí. Também cobríamos as placas de propaganda política com poesia e tinta”, explica Binho

Binho, criador do Sarau do Binho | FOTO: Vladi Victorelli

Binho, criador do Sarau do Binho | FOTO: Vladi Victorelli

Segundo Paulo Nascimento de Oliveira, o Pow, o Sarau do Binho foi responsável por uma grande mudança na sua maneira de pensar e ver a vida. Integrante do movimento hip hop, Pow afirma que a poesia se tornou um grande elemento para a elaboração de suas músicas. “O hip hop vem ganhando muito com os saraus. Está sendo uma ótima parceria, a poesia vem dando elementos novos para as nossas letras”, analisa.

POESIA CRÍTICA

Sair do senso comum é uma das grandes mensagens dos saraus das periferias, a poesia é usada, acima de tudo, como forma de desabafo. As pessoas acabam deixando de lado a televisão e passam a ampliar o olhar sobre a vida real. Assim, nascem cidadãos mais críticos e questionadores.

A informação vem de maneira poética, mas nem por isso deixa de ser contundente e impactante. Segundo Binho, são pessoas comuns, que estão saindo do seu universo, para fazer poesia, cantar, ou simplesmente encontrar amigos. “Aqui as pessoas se informam, é como uma guerrilha cultural. A poesia é beleza, contemplação, mas acima de tudo é uma poesia que pede ação. A semana fica mais curta, para mim a poesia está ligada à saúde, uma espécie de autoajuda.”

Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 166.

Comentários

Comentários