Refugiados ganham campanha mundial representada por IZA

Fernanda Oteromaio 25, 20205 min
https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2020/05/iza-e-maejor-525-copy.jpg

Mesmo com a mudança de comportamento e as limitações de trânsito provocadas pelo surgimento da Covid-19, os movimentos migratórios no mundo se mantém, ainda que em menor escala. O Alto Comissariado de Refugiados na ONU – ACNUR aponta que 167 países no mundo estão com as fronteiras fechadas, 57 deles, rejeitando os pedidos de asilo.

No continente africano, os movimentos de migração caíram drasticamente nos últimos meses. Os africanos deixam seus países e rumam para a Europa, entrando principalmente pela Itália; ou para a Arábia Saudita, pelo Iêmen.

De acordo com a Organização Internacional para as Migrações (OIM) da ONU, em abril de 2020, cerca de 1.700 migrantes chegaram ao Iêmen vindos da África. No ano de 2019, cerca de 138.000 pessoas, uma média de 11.500 ao mês, em sua maioria etíopes, atravessaram o canal tendo como destino final a Arábia Saudita. O Relatório Internacional de Migração de 2017, contabilizou 36 milhões de africanos vivendo em outros países.

Os casos de preconceito se espalham com a mesma força que o vírus, como já registrou a RAÇA em abril. Outro problema grave para os refugiados é a transmissão do vírus: as condições dos centros de acolhimento de refugiados são muito ruins e ferem a Declaração Internacional dos Direitos Humanos.

Na Irlanda, os Centros de Atendimento a Refugiados (Direct Provision) têm registrado altos índices de contaminação da doença, provocando manifestações dos abrigados nas redes sociais. A página do movimento que pede o fim aos Centros de Atendimento vem chamando a atenção das autoridades e denunciando a gravidade do problema e o risco que representa para os seus moradores. Pelo menos um desses centros teve que ser fechado e seus acolhidos transferidos para outras localidades.

 

Combatendo o preconceito

A cantora brasileira IZA em parceira com o rapper norte-americano Maejor lançou no último dia 21 de maio a canção “Let me be the one”, gravada com a participação de refugiados. A campanha mundial é uma ação que atende os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, e foi criada pela empresa Humanity Lab Foundation em parceria com a Warner Music Brasil, com apoio da ONU Brasil e da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e da UNESCO. IZA e Maejor são os embaixadores da marca #BeTheOne.

A música foi gravada em São Paulo antes do início do isolamento social, e o evento de lançamento foi transmitido pelo YouTube no último dia 21 de maio, Dia Mundial para a Diversidade Cultural e para o Diálogo e o Desenvolvimento.

Durante a live, IZA que abriu a sala de transmissão, disse que “se todos queremos ver um mundo melhor, está na hora de começarmos a agir”.

*Com informações da ACNUR e da BBC News Africa

 

**Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião da RAÇA, sendo de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Comentários

Comentários

Fernanda Otero

Correspondente da RAÇA na Europa e Africa é Jornalista e Tradutora. Foi selecionada com outros cinco jornalistas brasileiros pela Fundação Thomson-Reuters para um curso sobre os Objetivos do Milênio (2015).

https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2017/08/logo-scaled.jpg

Há 24 anos no mercado, a pioneira e mais antiga publicação negra do Brasil.

Comentários

Comentários