Saiba o que os filmes “Time”, “Auto de Resistência” e “13a Emenda”, têm em comum

Filmes ajudam a entender a política de encarceramento e aplicação “desigual” da justiça nos Estados Unidos e no Brasil 

Mais de 2 milhões de pessoas vivem em prisões nos Estados Unidos, apesar de a população negra representar menos de 15% da população daquele país, são mais de 38% nas cadeias. Segundo dados da Justiça brasileira, a população prisional no país, em 2016, era de 726.712 mil pessoas e a taxa de ocupação nos presídios de 197,4%. O mesmo documento informa que 64% das pessoas no Sistema Prisional brasileiro, naquele ano, eram negras.  

Entre as teorias que explicam o encarceramento em massa ou mesmo a execução de pessoas negras, está o racismo institucional, que se concretiza, também, pelo acesso desigual e discriminatório à justiça. 

Há 20 anos, o programa da Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata já declarava a necessidade de observar o acesso equitativo à justiça. Em 2015 passou a valer a Década Afro, iniciativa das Nações Unidas, ancorada em três pilares: reconhecimento, desenvolvimento e justiça. Sobre justiça, o documento orienta os países a tomar medidas para “[…] garantir igualdade perante a lei, especialmente no desfrute do direito ao tratamento igual perante tribunais e todos os outros órgãos jurídicos-administrativos]”. 

A cinematografia, seja pela documentação ou pela ficção, tem explorado esse tipo de conteúdo e títulos ancorados nessa reflexão estão disponíveis nas principais plataformas de streaming, entre eles, “Time” (2020), “Auto de resistência” (2018) e “13a Emenda” (2016). 

Time

Lançado no ano passado, o filme apresenta os erros, a luta e a resiliência de Fox Rich, na busca por uma revisão de julgamento do seu marido, condenado a 60 de reclusão por assaltar um banco. Para além dos desafios de criar seis filhos e manter a família unida em torno do ideal de liberdade, o filme deixa evidentes os obstáculos encontrados pela protagonista na busca por “justiça”, durante duas décadas. 
Trailer Oficial: https://youtu.be/kq6Hh07oLvs

13a Emenda

Dirigido por Ava DuVernay, o filme apresenta um panorama detalhado dos caminhos que levaram os Estados Unidos ao encarceramento em massa e, especialmente, da população negra. A narrativa passa pela leitura crítica da 13a Emenda à Constituição dos Estados Unidos, que abole a escravidão, exceto como punição por crime. Entre as pessoas entrevistadas estão Ângela Davis, Cory Booker e Michelle Alexander. 
Trailer Oficial: https://youtu.be/z7iB1v7PUiA

Auto de resistência 

O filme dirigido por Natasha Neri e Lula Carvalho e lançado em 2018, acompanha casos de homicídios cometidos pela Polícia Militar do Rio de Janeiro, sob a justificativa de legítima defesa. O documentário joga luz especial sobre como todo o sistema opera, levando ao arquivamento da grande maioria dos casos. A ação das mães dos jovens assassinados também tem destaque, na medida que elas são personagens-chave não só para elucidar os acontecimentos como também, para ressignificar a visão da sociedade sobre a importância da vida de seus filhos. 
Trailer Oficial: https://youtu.be/5QJUPanVCUo

Comentários

Comentários

About Author /

Jornalista, pós-graduada em comunicação e saúde, produtora de conteúdo, defensora dos direitos humanos e promotora da equidade de gênero e raça. Escreve sobre beleza, identidade, autoestima, livros e filmes. É também idealizadora do Mundo da Rua Podcast.

Start typing and press Enter to search