‘Se a Rua Beale falasse’ leva às telas ‘melancolia negra’ da obra de James Baldwin

hamallifevereiro 7, 20193 min
https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2019/02/noticia_552315_img1_rua-beale.jpg

Em seu novo filme, ‘Se a Rua Beale Falasse’, o diretor Barry Jenkins prova que seu cinema é, estética e narrativamente, permeado pela melancolia. Mas o longa não trata exatamente do sentimento como o conhecemos, associado à tristeza e depressão, e sim de uma emoção com poder transformador, que possibilita a reflexão. A obra, baseada no livro do escritor James Baldwin, estreia nesta quinta-feira (7) nos cinemas.

No longa, o jovem negro Fonny é preso de forma injusta após ser acusado de estuprar uma mulher latina na Nova York da década de 1970. A narrativa acompanha a luta de sua namorada Tish, que está grávida, e da família de ambos para soltá-lo, ao mesmo tempo em que explora o relacionamento e as dificuldades enfrentadas pelo casal.

Com esse foco no cotidiano e relacionamentos dos personagens, Jenkins – que também dirigiu o vencedor do Oscar ‘Moonlight: Sob a Luz do Luar’ (2016) – se firma como parte de uma nova onda de diretores que buscam dar destaque à humanização dos negros em suas obras, com conceitos como respeito, solidariedade e família, vividos mesmo em condições adversas.

‘Se a Rua Beale Falasse’ foi indicada a 3 Oscars: atriz coadjuvante (Regina King), Trilha Sonora e roteiro original (Barry Jenkins). A produção combate uma das faces mais danosas do racismo, a que nega a possibilidade de os negros, como seres humanos, serem múltiplos e terem ações contraditórias. Frank Hunt, pai do protagonista, é um pai amoroso, referência de humanidade para o filho, mas que em determinado momento agride a esposa.

Em outro ponto da narrativa, os pais dos protagonistas se unem para aplicar pequenos golpes, com o intuito de juntar dinheiro para pagar a defesa de Fonny. O cenário reflete uma tentativa de incluir na obra figuras reais, sem idealização ou mártires. O roteiro de Jenkins destaca o óbvio: essas pessoas são humanas.

 

Comentários

Comentários

hamalli

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2017/08/logo-scaled.jpg

Há 24 anos no mercado, a pioneira e mais antiga publicação negra do Brasil.

Comentários

Comentários