Sempre o cabelo!

Muito ainda nos impressiona como o cabelo mexe com questões relacionadas a preconceito, racismo e discriminação no Brasil. Já nos anos de 1980, quando ainda muito jovem iniciei meu ativismo no movimento negro, essa questão se apresentava em nossas pautas.

Discutiamos sobre as diferenças do racismo brasileiro e norte-americano onde lá nos Estados Unidos basta ter apenas uma gota de sangue negro para ser tratado como igual. Já no Brasil  ter uma gota de sangue branco faz com que alguns  achem que seus problemas com o racismo tenha acabado, se esquecendo do fator cabelo, entrava aí indústria do alisamento tentando dar uma ajuda para aqueles que só a terapia, uma aula de história ou a conscientização e o orgulho de suas origens poderia ajudar. 

Voltando para os anos de 1980, me lembro que uma vez participei de uma discussão com vários ativistas, alguns infelizmente já não estão entre nós, e lembrávamos que aqui, mais do que a pigmentação da cor da pele, o cabelo exercia um grande fator no quesito discriminação racial, algo parecido com a questão do fenotipo negro dos afro-americanos, fator decisivo para a classificaçao da raça negra naquele país. 

No Brasil cabelo sempre foi mais determinante! Dependendo de como você usava o seu cabelo, no trabalho suas chances de promoção e até de conquista de uma vaga era pautada. Se você fosse um negro do cabelo liso, seria tratado de uma forma, mas se fosse negro do cabelo crespo, seria tratado de uma outra forma, mesmo que você tivesse a pele clara, o cabelo crespo não era adimitido de forma alguma! Estou falando isso de algumas décadas atrás!

A publicidade ajudou muito na propagação de estereótipos, criaram xampus para cabelos “rebeldes” como se nossos cabelos pertencessem a grupos rebeldes daquela época, como As Farc da Colômbia ou Hezbollah do Líbano etc.

No final daqueles anos 1980 felizmente começou a revolução do crespo e um pouco depois entrou na moda, incluindo os blacks dos anos de 1990. Mesmo estando na moda, o cabelo continua um tabu. Tanto é que o Big Brother não nos deixa mentir! Na brincadeira de monstro, um dos participantes, o sertanejo Rodolfo se vestiu como homem das cavernas, com cabelo crespo e falando que o cabelo dele estava igual ao do João, participante negro que usa seu cabelo black e foi tão forte que o João chorou e desabafou com a Camila, a única mulher negra também retinta ainda na casa.

Não sabemos ainda quando o Brasil vai assumir que mais de 56% da sua população sangue negro tem o cabelo crespo, é descendente do continente africano e precisa se orgulhar disso. Enquanto isso não for assumido, infelizmente cenas deprimentes como as que se viu no Big Brother, e a música maravilhosa do paraibano Chico César “cabelo, cabeleira, cabeludo, descabelado” continuará fazendo muito sucesso e muito protesto também.

 Quanto aos Rodolfos da vida continuarão discriminando e usando os mesmos argumentos de sempre para se desculpar, “Desculpe não foi por querer, meu pai, meu amigo minha tia ou seja lá quem for também tem o cabelo igual ao seu” Como se isso livrasse sua barra e retirasse de si o seu racismo!

Comentários

Comentários

About Author /

jornalista CEO e presidente do Conselho editorial da revista RAÇA Brasil, analista das áreas de Diversidade e inclusão do jornal da CNN e colunista da revista IstoÉ Dinheiro

Start typing and press Enter to search