Conheça a história de cinco mulheres africanas que são símbolos da liderança feminina em seus países

 

TEXTO: Redação | FOTOS: Divulgação | Adaptação web: David Pereira

Da esquerda para a direita, de cima para baixo: Nadine Gordimer, Sara Masasi, Leymah Gbowee e Luisa Diogo. No centro, Graça Machel | FOTO: Divulgação

Da esquerda para a direita, de cima para baixo: Nadine Gordimer, Sara Masasi, Leymah Gbowee e Luisa Diogo. No centro, Graça Machel | FOTO: Divulgação

 

Cinco mulheres africanas compõem o documentário "Mulheres Africanas - A rede invisível". Veja um pouco da história de cada delas que representam a lidereça feminina.

Graça Machel

Moçambicana, iniciou sua militância política em Portugal, quando estudava filologia na Universidade de Lisboa. Por conta de sua militância política, teve de fugir de Portugal. Lutou na guerrilha contra as tropas portuguesas em Moçambique, onde conheceu Samora Machel, com quem se casou. Foi ministra da Educação e teve um papel fundamental na reconstrução do país. Possui também intensa militância internacional na questão das crianças-soldado e no casamento precoce de meninas. Hoje, vive na África do Sul e foi casada com Nelson Mandela.

Leymah Gbowee

Ativista liberiana, responsável por liderar um movimento pacifista de mulheres que acabou com a Segunda Guerra Civil Liberiana, em 2003, e resultou na eleição da primeira presidente mulher do continente africano, Ellen Johnson Sirleaf. Em2011, recebeu o Prêmio Nobel da Paz por sua luta pela segurança e pelos direitos das mulheres.

Luisa Diogo

A moçambicana era executiva do Banco Mundial quando foi chamada para integrar o governo de Moçambique após a Guerra Civil. Passou por diversas funções até chegar ao cargo de primeira-ministra. Atualmente, é deputada e faz parte daAssembleia da República. Além disso, fundou em 2011 o Instituto de Desenvolvimento e Empreendedorismo Tiri Pamodzi, que trabalha com associações comunitárias e luta pelos diretos da mulher. Durante três anos consecutivos (2005, 2006 e 2007) Luisa Diogo foi incluída na lista das cem mulheres mais poderosas do mundo, elaborada pela revista norte-americana Forbes.

Nadine Gordimer

Escritora sul-africana, com mais de 30 livros publicados em todo o mundo. Ganhadora do Prêmio Nobel de Literatura em 1991 e da Legião de Honra, da França, em 2007, é ativista política e literária. Ficou conhecida por temas localizados durante o Apartheid, o regime racista da África do Sul.

Sara Masasi

Líder empresarial da Tanzânia, um verdadeiro expoente do mundo dos negócios. Em um país muçulmano, é reconhecida e ouvida como uma liderança importante no mundo político e econômico e tratada carinhosamente como “Mama Sara”. Atuatambém na educação, e propõe como tema fundamental a importância da mulher para o desenvolvimento do país.

Quer ver essa e outras reportagens da revista? Compre essa edição número 177.

Comentários

Comentários