Últimas apresentações de “Invisíveis”, com o coletivo Pé na Porta

Nesta sexta-feira (27) e no sábado (28) o público poderá conferir as duas últimas apresentações do espetáculo “Invisíveis”, que conta a história de três pessoas pretas que trabalham como auxiliar de serviços gerais num mesmo lugar e como se dá a manutenção da invisibilidade desses profissionais.

Esse recorte apresenta o resumo de suas vidas repletas de camadas e também mostra suas trajetórias até chegarem nesse momento.

O texto inédito, escrito por Renata Tavares, que também dirige o espetáculo, aborda como o racismo é fundamental para a base estrutural econômica-política-social no Brasil.

É através da perspectiva das histórias que os personagens contam, que se percebe como qualquer outro fator como a conservação desenfreada do capitalismo, a exposição da pessoa como LGBTQIA+ e a subjugação de alguém que cumpriu pena, se torna mais um recurso na utilização da depreciação da vida humana preta.

A cor evidencia essa complexa relação desses trabalhadores com os seus superiores que na grande maioria, nem percebem que eles existem, nem sabem seus nomes, e se aproveitam hierarquicamente por estarem acima para estereotipá-los.

A abordagem realizada pelo elenco, que destaca Cridemar  Aquino,Milton Filho e Raphael Rodrigues, de forma descontraída e intensa, provoca uma reflexão sobre o racismo, desigualdade social, homofobia, humilhação e demais situações enfrentadas cotidianamente por profissionais invisibilizados  pela sociedade e levam a uma reflexão sobre o racismo estrutural e suas consequências sociais  e o quanto é preciso lutar para que  pretos e pretas tenham os seus direitos respeitados.

 

Sobre o Coletivo Pé na Porta

O coletivo Pé na Porta surgiu em 2016 com o intuito de criar dramaturgias em que o lugar do artista preto pudesse ser acessado em todas as suas potencialidades.

A Cia traz uma percepção diaspórica dos fazeres artísticos pretos em seu lugar de protagonismo e conecta para além de suas plataformas, o acesso às subjetividades que somente podem ser contadas através de vivências do povo preto.

O grupo tem o objetvo de promover o resgate histórico e cultural de danças de matrizes africanas e composição de espetáculos teatrais com temáticas pretas, todas essas, ligadas diretamente na luta contra o racismo e no entendimento da arte como ferramenta política-social no Brasil.

A dramaturgia !Invisíveis” foi criada à partir das experiências vividas pelos atores, pela troca de conversa, pelos questionamentos levantados e debatidos durante a concepção do texto inédito, escrito por Renata Tavares, com produção de Camila Lima.

Serviço:
Invisíveis  – Exibições Virtuais
Dias: 27 e 28/11
Hora: 20h
Onde comprar e assistir:  Plataforma Sympla
Classificação etária: 16 anos
Instagram: @coletivopenaporta 

Comentários

Comentários

About Author /

Start typing and press Enter to search