É importante pedir perdão aos negros e índios brasileiros

Théo van der Looabril 23, 20207 min
https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2020/04/negros-e-indios.jpg

Muitos dizem que esta discussão em torno da escravidão e suas consequências é coisa do passado, pois “já faz muito tempo que isso aconteceu”. É verdade, concordo que devemos pensar muito mais no hoje e no amanhã. Mas para que possamos avançar, acredito que seja igualmente importante reconhecer os erros e atrocidades históricas cometidos pela humanidade. Recebo muitas críticas dizendo que somos todos humanos e que devemos esquecer essa “coisa de raça”. Ocorre que, até os dias de hoje, alguns humanos se acham mais humanos (superiores) que os outros.

Os humanos -brancos que criaram e se beneficiaram da escravidão nos anos 1500 e os humanos-negros que viram suas vidas e sonhos destruídos, já não estão aqui. Mas as sequelas dessa odisseia persistem até os dias de hoje. Uma delas é o racismo e a desigualdade crônica. A abolição da escravatura ocorreu em 1888, mas o racismo e preconceito ainda segue muito presente. Nunca houve um reconhecimento e pedido de perdão formal do estado brasileiro e de Portugal, pelas atrocidades e injustiças históricas cometidas contra os negros.

Quero fazer uma analogia com a questão do povo Judeu, que foi perseguido durante toda sua vida. O Holocausto entre 1941 e 1945, durante a II Guerra Mundial, foi ponto mais horroroso desta história. Após a II Guerra, houve um esforço enorme de vários países para ajudar a comunidade judaica a se reerguer. Será impossível eliminar os traumas e sequelas deixados pelo Holocausto. Está história jamais poderá ser esquecida, em memória às vítimas e seus descendentes e para que ela jamais se repita.

Outro fato histórico importante (1492) é a questão dos Judeus Sefarditas na Espanha e Portugal, que foram perseguidos, forçados a se converterem para o Catolicismo, expulsos dos seus países ou executados. Em 2015, ambos países reconheceram a injustiça histórica, pediram perdão e ofereceram aos descendentes dos Judeus Sefarditas, a nacionalidade de seu país de origem (Espanha ou Portugal).

Parece que, apesar de altos e baixos, nossa sociedade está avançando. Países colonizadores estão reconhecendo as injustiças e erros cometidos no passado e fazendo esforços para amenizar as sequelas, como foi o caso dos Judeus Sefarditas.

Relatórios indicam que a escravização de Africanos na América Latina começou em 1525, alguns dizem que foi até antes. Os principais comerciantes de escravos do Atlântico, ordenados por volume de comércio, foram os impérios: português, britânico, francês, espanhol e holandês. Porém, após uma busca na internet, pode ser constado que alguns pedidos de desculpas por parte destes países ainda foram muito tímidos. Foi apenas em 2015 que as Nações Unidas inauguraram um Monumento Permanente para Honrar as Vítimas do Comercio da Escravidão Transatlântica.

https://www.un.org/en/events/slaveryremembranceday/memorial.shtml

Em Abril de 2005 o Presidente Lula pediu perdão a África (Senegal) pela escravidão. Um gesto louvável, mas feito na África. Pessoalmente eu não tenho dúvidas que é necessário fazer um reconhecimento sobre esta injustiça histórica e pedido oficial de perdão, para todos os negros aqui no Brasil e avançarmos ainda mais com as políticas públicas, incentivando o setor privado a participar ativamente nesta jornada contra o racismo e redução da desigualdade. Aqui não me refiro apenas aos negros, mas também aos índios que passaram por grandes injustiças também.

Todos vamos nos beneficiar disso, principalmente as próximas gerações. Uma coisa é certa. Deixar tudo como foi até hoje não é mais uma opção. Para sermos uma grande nação precisamos dar pulos e não passos. O Brasil tem pressa!

Comentários

Comentários

Théo van der Loo

Executivo global, influencer e colunista. Theo é conhecido por seu engajado e realizações em causas de inclusão

https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2017/08/logo-scaled.jpg

Há 24 anos no mercado, a pioneira e mais antiga publicação negra do Brasil.

Comentários

Comentários