A cantora baiana Mariene de Castro canta músicas de Clara Nunes em sua homenagem. Confira

 

TEXTO: Redação | FOTOS: Washington Possato | Adaptação web: David Pereira

Mariene de Castro que prestou homenagem à cantora Clara Nunes | FOTO: Washington Possato

Mariene de Castro que prestou homenagem à cantora Clara Nunes | FOTO: Washington Possato

Nos 40 anos que a vida lhe deu, Clara Nunes se consagrou pela luta em diversas frentes, como a emancipação da mulher, o resgate de autores esquecidos e a exaltação das raízes africanas. Em abril de 2013, diversas homenagens relembraram os 30 anos sem o canto imponente da guerreira mineira. A demonstração de amor e respeito à obra da artista feita pela cantora baiana Mariene de Castro vem em forma de tributo, intitulado ‘Ser de Luz – Uma homenagem a Clara Nunes’, CD e DVD que a Universal Music lança em parceria com o Canal Brasil para celebrar uma das mais importantes intérpretes brasileiras do século passado.

A jovem Mariene desponta como um dos talentos mais promissores da MPB. O dom artístico vem de berço - aos cinco anos, já estreava como dançarina no mítico Teatro Castro Alves, em Salvador. “Nasci numa família de músicos. Em casa todos cantavam, foi de ouvido que aprendi a cantar e tocar instrumentos. Também dancei por muitos anos”, afirma a cantora, que desde pequena pratica ballet clássico. “Dançava na frente do espelho o tempo todo. Fazia do perfume o meu microfone. Minha primeira plateia foi a família, eu sempre me apresentava na sala e eles me assistiam”, relembra.

Para a gravação de Ser de Luz, Mariene morou com sua banda numa casa no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio de Janeiro, durante 30 dias. Este isolamento criativo já havia sido feito em seu trabalho anterior, “Tabaroinha”, quando ela e os músicos ficaram durante duas semanas num estúdio montado no meio da mata, sem direito a telefones celulares ou qualquer outro aparato de comunicação. Segundo Mariene, a concentração foi essencial para a imersão na história e no repertório de Clara Nunes, e a preparou para o tributo à estrela mineira que brilhou intensamente no Rio.

No DVD “Quintal do Pagodinho”, Mariene cantou a música “Samba pras Moças” ao lado de Zeca | FOTO: Washington Possato

No DVD “Quintal do Pagodinho”, Mariene cantou a música “Samba pras Moças” ao lado de Zeca | FOTO: Washington Possato

A cantora assume que interpretar uma artista com tamanha influência é um grande desafio. “Recebi o convite como um presente da espiritualidade. Em cada show, percebo em mim e no público uma nova emoção. Sempre vejo na plateia homens e mulheres chorando. É muito forte. A saudade e o amor que o povo sente pela Clara são explícitos. Parece que ela partiu ontem, mas já se passaram 30 anos”.

A brasilidade e as tradições afro-brasileiras são as bases do projeto. As faixas “Guerreira”, “Feira de mangaio”, “A deusa dos orixás”, “O mar serenou”, “Ijexá”, “Conto de areia” e “Ê baiana” estão presentes para mostrar que nada da essência de Clara se perdeu no caminho. A escolha do repertório não foi aleatória, todas as faixas foram selecionadas após muito estudo e conversa, com a ajuda imprescindível de artistas como Alceu Maia, que tocou com Clara e foi, em “Ser de Luz”, responsável pelo áudio, por parte dos arranjos e pelo cavaquinho. Mariene contou também com a colaboração de Surica, Áurea Maria e Neide Sant’Anna, pastoras da Velha Guarda da Portela, nas vozes de apoio. Para se ter uma ideia da importância dessas participações especiais, Surica teve a missão de vestir Clara Nunes para o funeral, como conta no DVD. Em um dos momentos mais emocionantes do show, o trio interpreta “Portela na avenida”.

Dirigido por Darcy Bürger, o espetáculo gravado no Espaço Tom Jobim, no Rio de Janeiro, em outubro de 2012, também registra canções de Mariene, como “A pureza da flor” e “Filha do mar”. A faixa que intitula o projeto, “Um ser de luz”, foi composta por Mauro Duarte, João Nogueira e Paulo César Pinheiro em homenagem a Clara, logo após sua morte. Segundo Mariene, é impossível interpretá-la sem chorar.“É uma homenagem cheia de amor e fé para esse ser de luz que plantou tanto amor por onde passou”. Assim como Clara, a cantora deixa transparecer toda a emoção, carisma e intimidade em sua voz.

 

Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 181.

Comentários

Comentários