Saiba quando iniciou a história das mulheres nos cafezais

 

Texto: Priscila Gorzoni | Foto: Divulgação  | Adaptação web Sara Loup

 

Mulheres nos cafezais | Foto: Divulgação

Mulheres nos cafezais | Foto: Divulgação

O café chegou ao Brasil em 1727, trazido por Francisco de Mello Palheta. Mas foi em 1820 que ele se transformou no principal produto de exportação. O café se desenvolveu inicialmente no Pará e, tempos depois, no Maranhão, Ceará, Bahia, Goiás e Rio de Janeiro. Espalhou-se por Minas Gerais, Espírito Santo e São Paulo.

Foi plantado primeiro no Vale do Paraíba e depois ganhou as terras do interior. Por todos os lugares que passou, o café deixou um rastro de crenças e tradições. Segundo Câmara Cascudo, sua presença incluía terapias caseiras e chás feitos com suas folhas para curar bronquites e asmas, além de lendas e cantigas geralmente executadas pelos apanhadores durante o plantio. O café surgiu com o Império e sustentou toda a economia brasileira até o fim da Primeira República. Nessa época, para solucionar o problema da mão-de-obra nos cafezais, milhares de imigrantes, sobretudo os italianos, dirigiam-se às lavouras.

As mulheres estavam incluídas no contrato feito com sua família, nessa época, porém, eram consideradas ‘meia enxada’, ou seja, trabalhavam como parte do marido. Segundo o livro História das Mulheres no Brasil, de Mary Del Priori (Editora Contexto), só nas décadas de 50 e 60 isso mudou, com a modernização da agricultura e o êxodo de trabalhadores da roça para a cidade. Com a falta de mão-de-obra, as mulheres passaram a ser consideradas trabalhadoras individuais e sua presença aumentou em 30% os empregos temporários dos cafezais.

Eram até preferidas, porque ganhavam menos que os homens e trabalhavam melhor que eles. Muitas chegavam a ter filhos nos cafezais, sem contar que, quando chegavam em casa, submetiam-se a mais um turno de trabalho. Atualmente, a remuneração nos cafezais é feita por produtividade e os pagamentos são por medida/litros. O acerto é semanal e o valor depende das condições e localização da lavoura.

 

Quer ver esta e outras matérias da revista? Compre esta edição número 154

Comentários

Comentários