Conheça a história de Nzinga a rainha da paz

 

Texto: Oswaldo Faustino| Foto: Divulgação  | Adaptação Web Sara Loup

 

Nzinga a rainha da paz | Foto: Divulgação

Nzinga a rainha da paz | Foto: Divulgação

Diante da marcha pelos 300 Anos da Imortalidade de Zumbi, em novembro de 1995, em Brasília,o governo brasileiro reconheceu Zumbi dos Palmares como “herói nacional”. O que fazer nos 350 anos da imortalidade de Nzinga para que ela seja reconhecida como “heroína da diáspora Banto”?

Em seu livro “Bantos, Malês e Identidade Negra”, de 1988, o escritor e compositor Nei Lopes apresenta uma excelente biografia de Nzinga Mbandi Ngola Kiluanji, que se tornou rainha do povo Ndongo Ngola, de etnia Banto. Com a morte do pai, rei de Matamba, no norte da atual Angola, no início do século XVII, ela enfrentou o irmão, rei do Ndongo, numa guerra pela sucessão ao trono que lhe custou inclusive a vida de seu filho.

Entre traidores

Os invasores portugueses encontraram em Nzinga primeiro uma diplomata tentando negociar a paz. Nas conversas com o governador geral de Angola, Congo e Benguela,o impressionou com sua mente brilhante e a segurança em seus argumentos. Nzinga ajudou nas negociações com os portugueses para impedir a procura de escravos em terras angolanas, e estes aceitaram com a condição de que ela se convertesse ao cristianismo.

Ao ser traída e vendo seu povo ser sequestrado, lutou para a destruir os invasores e seus colaboradores, entre eles seu próprio irmão. Assim, Nzinga se tornou a rainha de Matamba e de Ndongo. Além guerrilhar, os comandados de Nzinga Mbandi formaram quilombos que podem ter servido de referência para alguns dos milhares que surgiram por todo o Brasil. Ora tentando negociar, ora combatendo, Nzinga faleceu em 1663, com 82 anos.

Nzinga no Brasil

O orgulho de ter uma rainha valente na defesa de seu povo atravessou o Atlântico com os africanos sequestrados nos territórios Banto, traficados e escravizados no Brasil. Nas manifestações populares, ela é chamada de Rainha Jinga. Nzinga é um grande exemplo de mulher negra guerreira. Em várias cidades brasileiras denomina projetos e instituições. Com sedes em São Paulo, Salvador e Brasília, o Instituto Nzinga de Estudos da Capoeira Angola e de Tradições Educativas Banto no Brasil é liderado pela doutora em Educação Rosângela Costa Araújo (Mestra Janja), pela socióloga Paula Barreto(Mestra Paulinha) e pelo geógrafo e arte-educador Paulo Barreto (Mestre Poloca).

O objetivo principal da instituição é a difusão da capoeira angola, desenvolvida na Bahia pelo Mestre Pastinha a partir de conhecimentos banto. Núcleos internacionais desse instituto foram inaugurados também na Alemanha, no México, em Moçambique e Londres.

Quer ver essa e outras matérias da revista? Compre essa edição nº 182

Comentários

Comentários