Times de futebol fazem corrente contra o racismo

Redaçãojunho 2, 20205 min
https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2020/06/whatsapp-image-2020-06-01-at-12.06.45.jpeg

Campanhas antirracistas estão ganhando cada vez mais voz após a morte de George Floyd em Minneapolis. A revolta pela atuação no caso tirou os americanos do isolamento social juntou multidões em 15 estados e mais de 140 cidades e tem movimentado as redes sociais. Na segunda-feira (1º), uma corrente relembrando jogadores negros que fizeram história vestindo a camisa de seus respectivos times de futebol, ganhou as redes sociais.

Na corrente entre os clubes, um time é desafiado a citar jogadores negros que marcaram sua trajetória. Ao responder, a corrente é passada adiante para outros três clubes, que devem fazer o mesmo e usar a #VidasNegrasImportam. O Vasco, por exemplo, citou Barbosa, Odvan e Jorginho Carvoeiro. O Corinthians, o ex-goleiro Dida, o zagueiro Gil e o atacante Vagner Love.

“O racismo mata e destrói famílias no Brasil e no mundo. Não se cale. Nós nos importamos com essas vidas. Por isso, somos Corinthians. Vidas negras importam. Não seríamos Corinthians se não fossem os negros. Se não fôssemos negros. Alvinegros. Não seríamos Corinthians se a gente se calasse, se a gente aceitasse racismo e a injustiça. Não seríamos Corinthians se a gente não se indignasse com a violência e a desigualdade”, diz a mensagem do Timão.

“Que as lindas linhas do que escreveu o poeta vascaíno Aldir Blanc não sejam mais urgentes, mas só lembranças que nos recordem que a democracia deve ser sempre a nossa verdade e nunca mais uma esperança equilibrista”, destaca a mensagem do Vasco da Gama.

“No país que viveu séculos de escravidão, importam por serem as que menos sonham e mais morrem. Importam por Ágatha, João Pedro e cada nome que virou estatística. Por isso, o Clube do Povo precisa se manifestar e lutar contra o racismo. Aqui, desde sempre. Vidas negras importam”, enfatizou o Internacional.

“Henricão, Baiaco e Zé Carlos. Já imaginou o que seria de nossa história sem esses três nomes, torcedor? Somos todos iguais!”, disse o Bahia.

O Galo não ficou de fora e deixou seu recado.

“Seja em campo ou na arquibancada, o povo preto é parte da essência do #Galo ! Ubaldo, Dario e Ronaldinho Gaúcho são alguns dos negros que ocupam nossa galeria de ídolos. Como o preto que marca nossas cores, o povo negro é parte inseparável da nossa identidade, dentro e fora de campo!”, diz a mensagem do Atlético.

Os clubes aderiram à campanha mundial contra o racismo, que viralizou após o assassinato de George Floyd, negro de 46 anos, asfixiado por um policial branco, que imobilizou e pressionou o pescoço da vítima com o joelho, que não resistiu. A cena dramática foi filmada por populares, em Minneapolis, que registraram Floyd gritando que ‘não conseguia respirar’. A frase ‘I can’t breath’ (eu não posso respirar), proferida pelo homem, se transformou em grito de manifestantes em protestos espalhados por várias cidades dos EUA.

Comentários

Comentários

Redação

https://revistaraca.com.br/wp-content/uploads/2017/08/logo-scaled.jpg

Há 24 anos no mercado, a pioneira e mais antiga publicação negra do Brasil.

Comentários

Comentários